8

Neurotransmissores

Última atualização: 8/set/2023 17:48:55

Featured Image

Table of Contents

Os neurotransmissores são mensageiros químicos que transportam mensagens de uma célula nervosa para outra. Essas moléculas minúsculas são a chave para o funcionamento adequado do sistema nervoso, que controla muitos processos, desde os pensamentos até as funções corporais. Sem os neurotransmissores, o corpo não seria capaz de funcionar.

Para entender como os neurotransmissores funcionam, pode-se imaginar um jogo de telefone, em que uma mensagem é sussurrada de uma pessoa para a outra. O objetivo é ver se a mensagem consegue chegar ao final sem ser distorcida.

Da mesma forma, os neurotransmissores transportam mensagens de um neurônio para o outro, garantindo que a mensagem chegue ao lugar certo.

 

O que são neurotransmissores?

O que são neurotransmissoresOs neurotransmissores são mensageiros químicos que facilitam a comunicação entre as células nervosas, as células musculares e as glândulas. A descoberta dos neurotransmissores é uma história de pesquisa científica e inovação. No início do século XX, os cientistas começaram a suspeitar da existência desses mensageiros químicos.

Pesquisadores como Otto Loewi e Henry Dale foram os primeiros a demonstrar a existência de neurotransmissores. Sua descoberta inovadora abriu um mundo de possibilidades para a compreensão do complexo funcionamento do cérebro e do corpo. Ela continua a impulsionar avanços empolgantes no campo da neurociência.

"Quem poderia imaginar, anos atrás, que a estimulação nervosa influencia os órgãos por meio da liberação de substâncias químicas e que, por esse meio, a propagação de impulsos de um neurônio para outro é efetuada", disse Otto Loewi em 1935.

 

As funções dos neurotransmissores

Os neurotransmissores são essenciais para o funcionamento adequado do sistema nervoso e desempenham um papel fundamental nos seguintes aspectos:

 

A liberação de neurotransmissores

Os neurotransmissores são armazenados em bolsas de paredes finas chamadas vesículas sinápticas na extremidade do terminal do axônio. Cada vesícula pode conter milhares de moléculas de neurotransmissores.

Quando um sinal elétrico viaja ao longo de uma célula nervosa, as vesículas dos neurotransmissores se fundem com a membrana da célula nervosa. Elas são liberadas na sinapse, o espaço entre uma célula nervosa e a próxima célula-alvo (outra célula nervosa, célula muscular ou glândula).

A ação precisa dos neurotransmissores é determinada por sua composição química e pelos receptores específicos aos quais se ligam. Depois de ser liberado na sinapse, cada tipo de neurotransmissor aterrissa e se liga a um receptor específico na célula-alvo, como uma chave que só pode se encaixar e funcionar na fechadura de seu parceiro.

Essa ligação desencadeia uma alteração ou ação na célula-alvo, como um sinal elétrico em outra célula nervosa ou uma contração muscular. Há muitos tipos diferentes de neurotransmissores, cada um com sua composição química e função exclusivas.

 

O que acontece depois que a mensagem é entregue?

A liberação de neurotransmissores da fenda sináptica é um processo essencial para manter o funcionamento adequado do sistema nervoso. Depois que o neurotransmissor transmite sua mensagem, ele é removido da sinapse para evitar a superestimulação das células-alvo. Há três maneiras pelas quais os neurotransmissores são removidos da fenda sináptica:

  • difusão
  • recaptação
  • e degradação.

 

Difusão

Após a liberação, os neurotransmissores podem se difundir da fenda sináptica para os tecidos próximos. Esse processo geralmente é lento e pode ser influenciado por fatores como o tamanho do neurotransmissor, a distância da sinapse e a concentração do neurotransmissor.

 

Recaptação

Alguns neurotransmissores podem ser reabsorvidos pelo neurônio pré-sináptico que os libera. As proteínas transportadoras especializadas realizam o processo de recaptação na membrana do neurônio pré-sináptico.

Esses transportadores reconhecem e reabsorvem seletivamente neurotransmissores específicos de volta ao neurônio, que podem ser reembalados em vesículas e usados novamente em sinalizações futuras.

 

Degradação

Outros neurotransmissores são decompostos por enzimas dentro da fenda sináptica. Enzimas como a monoamina oxidase e a acetilcolinesterase decompõem neurotransmissores como a serotonina e a acetilcolina. Uma vez degradado, o neurotransmissor não pode mais se ligar aos receptores na célula-alvo e é efetivamente removido da sinapse.

 

Tipos de neurotransmissores

Cada neurotransmissor tem uma função exclusiva, desempenhando um papel fundamental no funcionamento do corpo. Esta seção se aprofundará no fascinante mundo dos neurotransmissores, explorando os mais importantes, suas funções e suas ligações com várias doenças e distúrbios.

 

Acetilcolina

A acetilcolina é um neurotransmissor excitatório com várias funções no sistema nervoso central e periférico. A maioria dos neurônios a libera no sistema nervoso autônomo para regular a frequência cardíaca, a pressão arterial e a motilidade intestinal.

A acetilcolina também afeta as contrações musculares, a memória, a motivação, o desejo sexual, o sono e o aprendizado. Desequilíbrios nos níveis de acetilcolina têm sido associados a problemas de saúde, incluindo o mal de Alzheimer, convulsões e espasmos musculares.

 

Dopamina

A dopamina desempenha um papel no sistema de recompensa do corpo, incluindo a sensação de prazer, o aumento da excitação e o aprendizado. Ela também ajuda no foco, na concentração, na memória, no sono, no humor e na motivação.

As doenças associadas a disfunções do sistema dopaminérgico incluem a doença de Parkinson, a esquizofrenia, a doença bipolar, a síndrome das pernas inquietas e o transtorno de déficit de atenção e hiperatividade (TDAH). Muitas drogas altamente viciantes, como a cocaína, as metanfetaminas e as anfetaminas, atuam diretamente no sistema dopaminérgico.

 

Serotonina

A serotonina é um neurotransmissor que ajuda a regular o humor, os padrões de sono, a sexualidade, a ansiedade, o apetite e a dor. As doenças associadas ao desequilíbrio da serotonina incluem o transtorno afetivo sazonal, a ansiedade, a depressão, a fibromialgia e a dor crônica.

Os medicamentos que regulam a serotonina e tratam esses distúrbios incluem os inibidores seletivos da recaptação de serotonina (SSRIs) e os inibidores da recaptação de serotonina-norepinefrina (SNRIs).

 

GABA

O ácido gama-aminobutírico (GABA) é o neurotransmissor inibitório mais comum no sistema nervoso, especialmente no cérebro. Ele regula a atividade cerebral para evitar problemas de ansiedade, irritabilidade, concentração, sono, convulsões e depressão.

 

Glutamato

O glutamato é o neurotransmissor excitatório mais comum no sistema nervoso e o neurotransmissor mais abundante no cérebro.

Ele desempenha um papel fundamental nas funções cognitivas, como pensamento, aprendizado e memória. Os desequilíbrios nos níveis de glutamato estão associados à doença de Alzheimer, demência, doença de Parkinson e convulsões.

 

Epinefrina

A epinefrina (também chamada de adrenalina) e a norepinefrina são responsáveis pela resposta de "luta ou fuga" do corpo ao medo e ao estresse.

Esses neurotransmissores estimulam a resposta do corpo aumentando a frequência cardíaca, a respiração, a pressão arterial, o açúcar no sangue e o fluxo sanguíneo para os músculos, além de aumentar a atenção e o foco para permitir a ação ou reação a diferentes fatores de estresse. O excesso de epinefrina pode levar a:

  • hipertensão arterial
  • diabetes, doenças cardíacas
  • e outros problemas de saúde

 

Norepinefrina

A norepinefrina (também chamada de noradrenalina) aumenta a pressão arterial e a frequência cardíaca. Ela é mais conhecida por seus efeitos sobre o estado de alerta, a excitação, a tomada de decisões, a atenção e o foco. Muitos medicamentos, como os estimulantes e os medicamentos para depressão, visam aumentar os níveis de norepinefrina para melhorar a concentração ou os sintomas da depressão.

 

Interações entre neurotransmissores

Os neurotransmissores geralmente interagem uns com os outros de forma complexa, levando a efeitos sinérgicos ou antagônicos no corpo.

 

Efeitos sinérgicos

Os efeitos sinérgicos ocorrem quando a ação combinada de dois ou mais neurotransmissores produz um efeito maior do que a soma de seus efeitos individuais. Um exemplo de efeito sinérgico é a interação entre a serotonina e a norepinefrina. Ambos os neurotransmissores regulam o humor e têm sido usados no tratamento da depressão.

Alguns medicamentos antidepressivos, como os SNRIs, aumentam os níveis de ambos os neurotransmissores. Essa combinação pode levar a uma melhora maior no humor do que o aumento dos níveis de um dos neurotransmissores isoladamente.

Outro exemplo de efeito sinérgico é a interação entre o GABA e o álcool. Ambas as substâncias agem como depressores do sistema nervoso central, e seus efeitos combinados podem levar ao aumento da sedação e ao comprometimento da função cognitiva.

É por isso que o consumo de álcool é fortemente desencorajado durante o uso de medicamentos que aumentam a atividade do GABA, como os benzodiazepínicos.

 

Efeitos antagônicos

Os efeitos antagônicos ocorrem quando a ação de um neurotransmissor reduz ou bloqueia a ação de outro. Um exemplo de efeito antagônico é a interação entre a acetilcolina e a dopamina. Enquanto a acetilcolina é geralmente excitatória, a dopamina é inibitória.

Os dois neurotransmissores têm efeitos opostos nos gânglios basais, um grupo de estruturas cerebrais envolvidas no movimento e na recompensa.

O equilíbrio entre a atividade da acetilcolina e da dopamina é interrompido na doença de Parkinson, onde há uma diminuição nos níveis de dopamina. Isso resulta em excesso de atividade da acetilcolina, levando aos problemas de movimento característicos da doença.

Outro exemplo de efeito antagônico é a interação entre a dopamina e a prolactina. A prolactina é um hormônio envolvido na lactação e tem demonstrado inibir a liberação de dopamina. Isso pode levar a efeitos colaterais de medicamentos que aumentam a dopamina, como os antipsicóticos.

 

Desequilíbrios de neurotransmissores

Os neurotransmissores desempenham um papel crucial na regulação de várias funções corporais, e os desequilíbrios em seus níveis podem levar a uma série de sintomas e problemas de saúde. Vários fatores podem contribuir para os desequilíbrios dos neurotransmissores, incluindo

 

Genética

Pesquisas sugerem que algumas variações genéticas podem afetar a produção e a liberação de neurotransmissores, levando a desequilíbrios.

 

Estresse

O estresse prolongado pode esgotar os níveis de neurotransmissores, principalmente aqueles envolvidos na regulação do humor, como a serotonina e a dopamina.

 

Nutrição deficiente

Uma dieta carente de nutrientes que apoiam a síntese de neurotransmissores, como aminoácidos, vitaminas e minerais, pode levar a desequilíbrios.

 

Medicamentos

Certos medicamentos, como antidepressivos, antipsicóticos e analgésicos, podem interferir nos níveis de neurotransmissores e causar desequilíbrios.

 

Sintomas de desequilíbrios de neurotransmissores

Os sintomas de desequilíbrios de neurotransmissores podem variar dependendo de qual neurotransmissor é afetado e em que grau.

Por exemplo, desequilíbrios nos níveis de serotonina podem causar transtornos de humor, como depressão e ansiedade, enquanto desequilíbrios nos níveis de dopamina podem afetar a motivação, o foco e o prazer. Alguns sintomas comuns de desequilíbrios de neurotransmissores incluem:

  • Mudanças de humor
  • Ansiedade
  • Depressão
  • Fadiga
  • Irritabilidade
  • Insônia
  • Problemas de memória
  • Baixa concentração
  • Dores de cabeça

 

Como aumentar os níveis de neurotransmissores

Os níveis de neurotransmissores podem ser aumentados naturalmente por meio de mudanças no estilo de vida que promovam a função ideal dos neurotransmissores. Aqui estão algumas maneiras de aumentar os níveis de neurotransmissores naturalmente:

  • Exercício
  • Ioga
  • Dormir
  • Redução do estresse
  • Meditação
  • Óleos essenciais

 

Perguntas frequentes

O que são neurotransmissores?

Os neurotransmissores são mensageiros químicos liberados pelas células nervosas (neurônios) para enviar sinais às células vizinhas (como outros neurônios ou células-alvo) através da fenda sináptica.

 

Qual é a diferença entre neurotransmissores excitatórios e inibitórios?

Os neurotransmissores excitatórios aumentam a probabilidade de geração de um impulso nervoso na célula-alvo. Em contrapartida, os neurotransmissores inibitórios diminuem a probabilidade de gerar um impulso nervoso na célula-alvo.

 

Quais são alguns neurotransmissores comuns no sistema nervoso?

Alguns neurotransmissores comuns no sistema nervoso incluem a dopamina, a serotonina, o GABA, o glutamato e a acetilcolina.

 

Como os neurotransmissores estão conectados ao sistema nervoso central?

Os neurotransmissores são mensageiros químicos que desempenham um papel fundamental na transmissão de sinais no sistema nervoso central (SNC).

Quando um sinal elétrico, chamado de potencial de ação, atinge a extremidade de um neurônio (terminal pré-sináptico), ele aciona a liberação de neurotransmissores na sinapse, um pequeno espaço entre os neurônios.

Em seguida, esses neurotransmissores se ligam a receptores específicos na membrana do neurônio pós-sináptico, dando início a um novo sinal elétrico. Esse processo permite a comunicação entre os neurônios e facilita a transmissão de informações em todo o SNC, possibilitando várias funções fisiológicas e comportamentos.

Recursos de saúde física da Anahana

Wikis

Resposta de luta ou fuga

Higiene do sono

Meditação guiada para dormir

Neuroplasticidade

Enxaqueca

Inflamação

Flexibilidade

Distúrbio do sono

Cinesiologia

Postura

Neurodiversidade

Síndrome da Cruz Alta

Sistema límbico

Ciência do esporte

Crioterapia

Sistema imunológico

Hormônios do estresse

Coerência do coração

Adrenalina

Sistema respiratório

Neurotransmissores

Blogs

Meditação do sono

Como dormir melhor

O que é privação do sono

Não consigo dormir

Quanto tempo você pode ficar sem dormir?

O que é o Sistema Nervoso

O que é o Sistema Nervoso Central

O que é o nervo vago

O que é o Sistema Nervoso Periférico

O que é o Sistema Nervoso Somático

O que é o Sistema Nervoso Autônomo

O que é estenose espinhal

O que é o Sistema Nervoso Simpático

O que são espasmos nas costas

O que é Diverticulite

Benefícios da ducha fria

O que é fisioterapia

O que é o sistema circulatório

Espondilose versus espondilólise

O que são hormônios

O que é escoliose

O que é o sistema endócrino

O que é artrite reumatoide

O que é fascite plantar

Como impulsionar seu sistema imunológico

O que é ciática

O que é fibromialgia

O que é osteoporose

Onde está o Plexo Solar

O que é neuroplasticidade

Como impulsionar seu sistema imunológico

 

Referências

Interação da dopamina com outros sistemas de neurotransmissores: Relevância na fisiopatologia e no tratamento de distúrbios do SNC

Detecção eletroquímica de neurotransmissores

Artigo de revisão Interação de neurotransmissores e substâncias neuroquímicas com linfócitos

Neurotransmissores: O que são, funções e tipos

Fisiologia, neurotransmissores - StatPearls - NCBI Bookshelf

Neurotransmissores: Funções, tipos e problemas potenciais

O que são neurotransmissores? -Instituto do Cérebro de Queensland

Neurotransmissores: O que são, funções e psicologia

Otto Loewi e Henry Dale: a descoberta dos neurotransmissores

O conteúdo deste artigo é fornecido apenas para fins informativos e não se destina a substituir a orientação, o diagnóstico ou o tratamento médico profissional. É sempre recomendável consultar um profissional de saúde qualificado antes de fazer qualquer mudança relacionada à saúde ou se tiver alguma dúvida ou preocupação sobre sua saúde. A Anahana não se responsabiliza por quaisquer erros, omissões ou consequências que possam ocorrer com o uso das informações fornecidas.

Hormônios

19 min read

Hormônios

Os hormônios são mensageiros químicos produzidos pelas glândulas e tecidos do corpo que regulam e coordenam os processos fisiológicos, inclusive o...

Neurobiologia

17 min read

Neurobiologia

A neurobiologia abrange vários tópicos, desde os mecanismos moleculares que regem a comunicação neuronal até a exploração de regiões específicas do...

Sistema respiratório

12 min read

Sistema respiratório

O sistema respiratório é um dos sistemas mais vitais do corpo humano, responsável por fornecer oxigênio ao corpo e eliminar o dióxido de carbono.

Crioterapia

11 min read

Crioterapia

A crioterapia é um tratamento que pode ajudar com o estresse, a ansiedade, a dor e a reabilitação de lesões. A crioterapia é realizada pela exposição...

Coerência Cardíaca

18 min read

Coerência Cardíaca

A saúde do coração está significativamente relacionada ao bem-estar emocional, espiritual, físico e mental de um indivíduo. Ao vivenciar os altos e...

Hormônios do estresse

12 min read

Hormônios do estresse

Os hormônios do estresse são liberados em resposta ao estresse ambiental. O estresse crônico leva à produção excessiva de hormônios do estresse,...