5

Resiliência

Última atualização: 9/mai/2024 0:15:00

Featured Image

Table of Contents

A resiliência, a capacidade de se recuperar das dificuldades, é uma habilidade de vida acessível a todos nós. Com paciência e perseverança, podemos passar por momentos difíceis e sairmos mais fortes.

O que é resiliência?

A palavra resiliência é derivada do verbo latino resilire, que significa recuar ou saltar para trás. De acordo com a American Psychological Association (APA), a resiliência se refere à nossa notável capacidade de adaptação ou superação de adversidades.

Em nossa jornada humana, muitas vezes enfrentamos momentos difíceis que podem fazer com que a resiliência pareça difícil de se conectar ou de se acreditar nela. Mas a resiliência não é algo fixo ou que desaparece; é algo que cada um de nós tem dentro de si, esperando para ser aproveitado.

Em tempos difíceis, muitos de nós recorremos ao nosso amado conforto e a estratégias de enfrentamento familiares, embora imperfeitas ou pouco saudáveis, em busca de consolo. Esses confortos são uma parte natural do ser humano, portanto, em vez de nos envergonharmos, podemos nos aceitar com compaixão e compreensão.

Ao mesmo tempo, ao abraçarmos e nos comprometermos verdadeiramente com nossa resiliência, substituiremos esses comportamentos de enfrentamento por outros que nutrem e apoiam nosso bem-estar. Afinal de contas, é nos momentos mais difíceis que geralmente encontramos nossa maior força.

Sinais de uma pessoa resiliente

Então, como a resiliência se manifesta em nossa vida cotidiana? Aqui estão cinco sinais a serem observados:

Adaptabilidade

As pessoas resilientes possuem a extraordinária capacidade de se adaptar a circunstâncias variáveis com graça e flexibilidade. Considere a história de um amigo que enfrentou contratempos inesperados, mas permaneceu aberto a novas possibilidades, ajustando seus planos e encontrando soluções inovadoras ao longo do caminho.

Perspectiva positiva

"Quando há uma grande decepção, não sabemos se esse é o fim da história. Pode ser apenas o começo de uma grande aventura" - Pema Chödrön, When Things Fall Apart: Heart Advice for Difficult Times (Conselhos do coração para tempos difíceis).

A manutenção de uma perspectiva esperançosa pode iluminar até mesmo os momentos mais sombrios, promovendo a resiliência diante da adversidade. Pense em alguém que, apesar de encontrar obstáculos, opta por ver os contratempos como oportunidades de crescimento e transformação, encontrando força no otimismo.

Forte sistema de suporte

A resiliência floresce no abraço carinhoso de relacionamentos de apoio. Imagine uma comunidade de entes queridos que oferecem incentivo, empatia e assistência inabaláveis, proporcionando uma linha de vida de apoio durante momentos desafiadores.

Consciência e regulação emocional

Aprofundar-se e acessar nossa resiliência significa ter uma compreensão profunda de nossas emoções e acessar mecanismos de enfrentamento saudáveis para lidar com elas. Engajar-se em práticas como a atenção plena ou a autorreflexão, que nos ajudam a processar e entender nossas emoções, pode ser incrivelmente fundamentado e estabilizador.

Senso de propósito

Um senso de propósito nos fundamenta e alimenta nossa resiliência, dando significado e direção à nossa jornada. Pense nas pessoas que conhecemos ou que admiramos (talvez as duas coisas!) que encontram propósito em suas paixões e valores, o que as leva a tomar medidas significativas e a perseverar nos desafios com determinação e determinação.

Ao perceber e cultivar esses sinais de resiliência em nós mesmos e nas pessoas ao nosso redor, podemos superar os momentos difíceis e realmente testemunhar o quanto somos fortes e capazes.

Tipos de resiliência

tipos de resiliência

A resiliência engloba vários pontos fortes que nos ajudam a superar momentos difíceis. Vamos explorar os quatro tipos principais: resiliência psicológica, emocional, física e comunitária.

Resiliência psicológica

A resiliência psicológica ou mental tem tudo a ver com nossa força interior, como lidamos com situações difíceis sem ficarmos sobrecar regados (ou, pelo menos, tão sobrecarregados que evitamos ou não conseguimos ver possíveis soluções ou caminhos a seguir). Por exemplo, pense em alguém que enfrenta um contratempo no trabalho, mas mantém o foco e o otimismo, encontrando maneiras de seguir em frente.

Resiliência emocional

A resiliência emocional tem a ver com a forma como gerenciamos e regulamos nossos sentimentos, especialmente quando os tempos são difíceis. É como saber quando estamos nos sentindo estressados ou chateados e encontrar maneiras saudáveis de lidar com isso, seja conversando com um amigo ou fazendo algo de que gostamos.

Resiliência física

Nossos corpos são os recipientes por meio dos quais experimentamos a vida, e a resiliência física é o que os mantém fortes e vibrantes. Trata-se de se recuperar de doenças ou lesões, permanecer ativo e nutrir nosso corpo com descanso, nutrição e movimentos alegres.

Resiliência da comunidade

A resiliência da comunidade é simplesmente a força compartilhada que surge quando grupos enfrentam situações difíceis juntos. Trata-se de como as comunidades se unem, apoiam umas às outras e encontram soluções em tempos difíceis, seja para se recuperar de um desastre natural ou para enfrentar dificuldades econômicas. É o poder da conexão e da solidariedade em ação

Nutrindo a resiliência: 3 benefícios práticos para a vida cotidiana

A resiliência, muitas vezes negligenciada, é nosso superpoder secreto para superar desafios pessoais. Aqui estão três motivos pelos quais cultivar a resiliência não é apenas benéfico, mas também crucial para o nosso bem-estar cotidiano:

  • Alívio do estresse: A resiliência nos ajuda a enfrentar situações difíceis com a cabeça fria. Pense em uma ocasião em que você se manteve calmo durante um momento desafiador, confiando em sua força interior para se manter firme.

  • Autocompaixão: A resiliência nos capacita a praticar a autocompaixão, oferecendo bondade e compreensão a nós mesmos quando tropeçamos ou caímos. Imagine um amigo atencioso oferecendo palavras de incentivo e apoio, lembrando-o de que não há problema (e é normal!) ser imperfeito.

  • Aumento da confiança: A resiliência alimenta nossa autoconfiança, capacitando-nos a enfrentar os desafios de cabeça erguida. Lembre-se de uma situação em que você passou por algo incrivelmente difícil e saiu fortalecido; isso demonstra sua resiliência e aumenta sua autoeficácia e confiança.

Como criar e manter a resiliência

Embora a idade, a história pessoal e o ambiente contribuam para nossos níveis iniciais de resiliência, é importante lembrar que nossa resiliência é fluida, não imutável. As crianças desenvolvem a resiliência com o passar do tempo, o que oferece insights sobre seu cultivo para os adultos.

Reconhecer, dar espaço e reformular os pensamentos negativos

Podemos nos tornar mais resilientes ao nos envolvermos em pensamentos e reflexões conscientes. Como parte da terapia cognitivo-comportamental, desenvolver a resiliência significa refletir conscientemente e alterar os comportamentos e processos de pensamento negativos. A primeira etapa é envolver-se em uma conversa interna positiva e identificar emoções e padrões de comportamento positivos e negativos.

A pesquisa sobre resiliência também sugere que a incapacidade de lidar efetivamente com as dificuldades (por não utilizar nossas habilidades de resiliência) pode levar a estados emocionais negativos ou condições de saúde mental, como depressão, ansiedade e estresse.

Acalme sua mente e seu corpo

A segunda etapa é aproveitar nossa força interior e adaptar habilidades de enfrentamento que atendam às nossas necessidades, ajudando-nos a reduzir os níveis de estresse.

Há maneiras de respirar que afetam diretamente nossos estados biológicos e nos acalmam. Os mecanismos de enfrentamento comuns incluem exercícios, atividade física, respiração profunda, melhoria da higiene do sono, dormir o suficiente e fazer atividades ou hobbies de que gostamos.

Contraintuitivamente, tente ver o lado positivo

Encontrar a luz na escuridão pode parecer uma tarefa difícil, especialmente quando a vida nos impõe seus desafios mais difíceis. No entanto, mesmo em meio às circunstâncias mais tempestuosas, vislumbres de esperança aguardam nossa descoberta.

Em momentos de adversidade, a prática da conversa interna positiva pode inicialmente parecer estranha ou até mesmo frívola. No entanto, as pesquisas sugerem que inundar nossa mente com pensamentos otimistas pode acabar com o ruído da negatividade, aguçando nosso foco no processo. Ao reformular nossas perspectivas por meio de uma lente mais positiva, não apenas mudamos nosso cenário emocional, mas também abrimos caminho para ações transformadoras.

Promover a resiliência requer tempo e prática, e isso não é um sinal de que não temos resiliência. Às vezes, pode ser até desafiador entender por onde começar e quais habilidades de enfrentamento utilizar, especialmente quando não estamos nos sentindo bem. Nesses casos, procurar um profissional de saúde mental que possa nos orientar durante o processo pode ser a melhor forma de autocuidado.

Conclusão

Cada um de nós pode desenvolver habilidades para desenvolver a resiliência. Durante os momentos difíceis, podemos nos concentrar conscientemente no presente (em vez de ruminar ou nos preocupar com o passado ou com os "e se" futuros). Com o tempo e a paciência, podemos aproveitar as emoções positivas e a força para desenvolver a resiliência e crescer.

Referências

Resiliência | APA

Resiliência: O que é e o que não é | Walker, B. H. (2020)

Como ser mais resiliente: 8 maneiras de aumentar sua resiliência | Calm

Gerenciando o estresse e criando resiliência | mind.org

Isenção de responsabilidade

O conteúdo deste artigo é fornecido apenas para fins informativos e não se destina a substituir a orientação, o diagnóstico ou o tratamento médico profissional. É sempre recomendável consultar um profissional de saúde qualificado antes de fazer qualquer mudança relacionada à saúde ou se tiver alguma dúvida ou preocupação sobre sua saúde. A Anahana não se responsabiliza por quaisquer erros, omissões ou consequências que possam ocorrer com o uso das informações fornecidas.