8

Cortisol

Última atualização: 5/dez/2023 16:00:43

Featured Image

Table of Contents

O cortisol é um hormônio esteroide que as glândulas suprarrenais produzem em resposta ao estresse. Ele desempenha um papel fundamental no sistema de resposta ao estresse do corpo, regulando o metabolismo, os níveis de açúcar no sangue, a função imunológica e a função cardiovascular.

Explicação sobre o cortisol

O cortisol, ou hormônio do estresse, é um hormônio esteroide essencial da classe dos hormônios glicocorticoides que afeta quase todos os órgãos do corpo.

O hormônio vital regula a resposta ao estresse, o metabolismo, a função imunológica, a regulação cardiovascular e a modulação do sistema nervoso central.

Seu papel intrincado na fisiologia do corpo ressalta a importância de manter um equilíbrio saudável dos níveis de cortisol para uma saúde e um bem-estar ideais.

Produção e regulação do cortisol

Explicação da produção e regulação do cortisol

Produção nas glândulas adrenais

O cortisol é produzido e secretado principalmente pela camada externa do córtex adrenal, conhecida como zona fasciculada.

A zona fasciculada é a maior região das glândulas suprarrenais, que são pequenas glândulas de formato triangular localizadas na parte superior dos rins.

A produção de cortisol segue um ritmo diurno, com os níveis mais altos pela manhã e diminuindo gradualmente ao longo do dia.

Biossíntese e Metabolismo

O processo de biossíntese do cortisol envolve várias reações enzimáticas e é regulado por uma cascata complexa de moléculas de sinalização.

A produção de cortisol começa com a absorção de colesterol pelas células do córtex adrenal. O colesterol é a molécula precursora da síntese de cortisol. Ele é obtido das lipoproteínas circulantes ou sintetizado na própria glândula adrenal.

Uma vez dentro das células do córtex adrenal, o colesterol passa por uma série de conversões enzimáticas. A etapa que limita a taxa de síntese do cortisol é a conversão do colesterol em pregnenolona, que é catalisada pela enzima de clivagem da cadeia lateral do colesterol, também conhecida como P450scc.

A pregnenolona passa então por uma série de reações enzimáticas no retículo endoplasmático das células do córtex adrenal para formar o cortisol.

Essas reações envolvem a ação de várias enzimas, incluindo a 3β-hidroxiesteroide desidrogenase (3β-HSD), a 17α-hidroxilase, a 21-hidroxilase, a 11β-hidroxilase e a 17β-hidroxiesteroide desidrogenase (17β-HSD).

Regulação pelo eixo Hipotálamo-Pituitária-Adrenal (HPA)

A produção de cortisol é regulada pelo eixo hipotálamo-pituitária-adrenal (HPA).

O hipotálamo libera o hormônio liberador de corticotropina (CRH), que estimula a glândula pituitária anterior a secretar o hormônio adrenocorticotrópico (ACTH).

O ACTH então se liga a receptores específicos nas células do córtex adrenal, ativando vias de sinalização que aumentam a produção e a liberação de cortisol.

Mecanismos de feedback

A regulação da produção de cortisol também envolve um mecanismo de feedback. O cortisol inibe a secreção de CRH do hipotálamo, agindo diretamente sobre os neurônios liberadores de CRH. Ele reduz a síntese e a liberação de CRH, levando a uma diminuição da sua disponibilidade para estimular a glândula pituitária.

No nível da glândula pituitária, o cortisol suprime a secreção de ACTH por meio de feedback negativo.

O cortisol se liga a receptores específicos em células corticotróficas na glândula pituitária anterior, inibindo a síntese e a liberação de ACTH. Isso reduz a estimulação das glândulas adrenais, resultando na diminuição da produção de cortisol.

O sistema de feedback negativo é ajustado com precisão para manter os níveis de cortisol em uma faixa estreita.

Quando os níveis de cortisol caem abaixo da faixa normal, o feedback negativo reduzido permite o aumento da liberação de CRH e ACTH. Isso estimula as glândulas suprarrenais a produzir e liberar mais cortisol, restaurando os níveis de cortisol à faixa ideal.

Efeitos do cortisol no corpo

Resposta ao estresse e a reação de "lutar ou fugir

A resposta ao estresse, ou a reação de "lutar ou fugir", é um mecanismo fundamental de sobrevivência que ajuda os indivíduos a responder a ameaças ou desafios percebidos.

O cortisol desempenha um papel central na orquestração dessa resposta fisiológica que ocorre em várias etapas:

  1. Estímulos estressantes: quando o cérebro percebe uma situação estressante, o hipotálamo, uma região do cérebro, libera CRH.
  2. Promovendo a secreção: O CRH estimula a glândula pituitária a secretar ACTH.
  3. As glândulas suprarrenais liberam cortisol: O ACTH, por sua vez, aciona as glândulas adrenais, especificamente o córtex adrenal, para liberar cortisol na corrente sanguínea.
  4. Hormônios: O cortisol e outros hormônios do estresse, como a adrenalina e a norepinefrina, preparam o corpo para a ação.
  5. Aumento do fluxo sanguíneo: Aumenta a frequência cardíaca e a pressão arterial, melhora o fluxo sanguíneo para os músculos e o cérebro e desvia a energia de funções não essenciais, como digestão e reprodução.
  6. Mudanças fisiológicas necessárias: Essas mudanças fisiológicas ajudam os indivíduos a enfrentar a ameaça de frente ou a fugir.

Metabolismo e regulação do açúcar no sangue

O cortisol desempenha um papel crucial na regulação do metabolismo e dos níveis de açúcar no sangue.

  • Decompõe os nutrientes: Mobiliza os estoques de energia durante o estresse, aumentando a decomposição de proteínas, gorduras e carboidratos.
  • Produz glicose: O cortisol estimula a gliconeogênese, sintetizando a glicose a partir de fontes que não são carboidratos, como aminoácidos e glicerol. Isso leva a níveis elevados de açúcar no sangue, garantindo um suprimento adequado de energia para atender às demandas do corpo durante situações de estresse.
  • Regula a insulina: O cortisol inibe a atividade da insulina, reduzindo a captação de glicose pelos tecidos periféricos.

Esses efeitos metabólicos do cortisol ajudam a fornecer ao corpo o combustível necessário para lidar com o estresse, mas podem contribuir para a resistência à insulina e desequilíbrios metabólicos quando os níveis de cortisol estão cronicamente elevados.

Modulação do sistema imunológico

O cortisol exerce efeitos imunossupressores e anti-inflamatórios potentes. Ele inibe a produção de citocinas pró-inflamatórias, como a interleucina-1 (IL-1) e o fator de necrose tumoral-alfa (TNF-alfa), e reduz a atividade das células imunológicas, incluindo linfócitos e macrófagos.

Embora essas ações ajudem a evitar inflamação excessiva e respostas imunológicas, a elevação prolongada dos níveis de cortisol pode prejudicar a função imunológica.

O estresse crônico e os altos níveis de cortisol podem levar à desregulação do sistema imunológico, tornando os indivíduos mais suscetíveis a infecções, prejudicando a cicatrização de feridas e contribuindo para distúrbios autoimunes.

Efeitos cardiovasculares

O cortisol influencia a função cardiovascular por meio de vários mecanismos. Ele aumenta a pressão arterial ao promover a vasoconstrição, estreitando os vasos sanguíneos.

O cortisol também aumenta a capacidade de resposta dos vasos sanguíneos a outras substâncias vasoconstritoras, como a adrenalina e a angiotensina II. O sistema renina-angiotensina-aldosterona, que regula o volume e a pressão sanguínea, também é afetado

A elevação crônica dos níveis de cortisol pode contribuir para a hipertensão, a aterosclerose e o aumento do risco de doenças cardiovasculares.

Além disso, o cortisol influencia a distribuição da gordura corporal, favorecendo a deposição de gordura na região abdominal, o que está associado a um maior risco de problemas cardiovasculares.

Efeitos no sistema nervoso central

O cortisol afeta significativamente o sistema nervoso central, influenciando o humor, a cognição e o ciclo sono-vigília. Níveis elevados de cortisol podem contribuir para a ansiedade, irritabilidade e até depressão.

Os receptores de cortisol, incluindo as regiões de regulação emocional e função cognitiva, são amplamente distribuídos no cérebro.

A exposição prolongada a níveis elevados de cortisol pode levar a problemas de memória, diminuição da atenção e dificuldades de aprendizado e tomada de decisões. O cortisol também desempenha um papel na regulação do ciclo sono-vigília.

Os níveis elevados de cortisol pela manhã promovem a vigília e o estado de alerta, enquanto os níveis mais baixos à noite contribuem para o início e a manutenção do sono.

As interrupções nos padrões de cortisol, como em condições como insônia ou determinados distúrbios do sono, podem afetar negativamente a qualidade do sono e o funcionamento neurológico geral.

Cortisol e estresse

Efeitos do estresse crônico nos níveis de cortisol

O estresse crônico, caracterizado pela exposição prolongada e repetida a fatores estressantes, pode levar à desregulação do eixo HPA. Em casos de estresse crônico, os níveis de cortisol podem se tornar cronicamente elevados.

Isso pode ter efeitos prejudiciais em vários sistemas do corpo. A exposição prolongada a altos níveis de cortisol pode levar a:

  • Interrupções na função imunológica
  • Desequilíbrios metabólicos
  • Deficiências cognitivas
  • Transtornos do humor
  • Aumento da suscetibilidade a doenças.

Aguda versus crônica Respostas ao estresse crônico

A resposta do corpo ao estresse agudo, como uma ameaça repentina ou uma situação desafiadora de curto prazo, é caracterizada por um aumento temporário nos níveis de cortisol. Essa resposta adaptativa ao estresse agudo ajuda os indivíduos a lidar com o estressor imediato. Quando a ameaça diminui, os níveis de cortisol voltam ao normal.

Por outro lado, o estresse crônico, que envolve a exposição prolongada a fatores estressantes sem períodos de recuperação suficientes, pode resultar em elevações sustentadas dos níveis de cortisol.

Essa elevação crônica pode interromper o funcionamento normal do eixo HPA e levar a várias consequências fisiológicas e psicológicas.

Os efeitos do estresse crônico sobre os níveis de cortisol podem contribuir para o desenvolvimento de distúrbios relacionados ao estresse e ter impactos duradouros sobre a saúde.

A compreensão da relação entre cortisol e estresse, os efeitos do estresse crônico nos níveis de cortisol e a função do CRH e do ACTH na regulação do cortisol fornecem informações sobre a complexa interação entre o estresse e as respostas fisiológicas do corpo.

O gerenciamento eficaz do estresse e a implementação de estratégias de redução do estresse podem ajudar a manter um equilíbrio saudável nos níveis de cortisol e promover o bem-estar geral.

Distúrbios da produção de cortisol

Doença de Addison

A insuficiência adrenal, também conhecida como doença de Addison, é um distúrbio caracterizado pela produção insuficiente de cortisol e, com frequência, de aldosterona pelas glândulas adrenais. Essa condição pode ser primária ou secundária.

A insuficiência adrenal primária ocorre quando as glândulas adrenais são danificadas ou destruídas, geralmente devido a uma reação autoimune.

A insuficiência adrenal secundária ocorre quando há uma disfunção na glândula pituitária ou no hipotálamo, resultando na redução da produção de ACTH.

Os sintomas da insuficiência adrenal podem variar, mas geralmente incluem fadiga, perda de peso, fraqueza muscular, pressão arterial baixa, desejo por sal e escurecimento da pele.

Indivíduos com insuficiência adrenal correm o risco de sofrer uma crise adrenal, uma condição com risco de vida caracterizada por sintomas graves, como dor abdominal, vômitos, desidratação, baixo nível de açúcar no sangue e confusão.

O tratamento da insuficiência adrenal normalmente envolve terapia de reposição hormonal com cortisol e, às vezes, aldosterona para restaurar os níveis normais de hormônio e controlar os sintomas.

Síndrome de Cushing

A síndrome de Cushing é caracterizada pelo excesso de cortisol no organismo. Vários fatores, inclusive o uso prolongado de medicamentos corticosteroides ou desequilíbrios hormonais, podem causar essa síndrome.

A causa mais comum são os medicamentos corticosteroides, geralmente prescritos para tratar asma, artrite reumatoide e distúrbios autoimunes.

Entretanto, a síndrome de Cushing também pode ocorrer devido a glândulas adrenais hiperativas ou a um tumor hipofisário que produz ACTH em excesso.

Os sintomas da síndrome de Cushing podem incluir ganho de peso, principalmente no rosto e no abdômen, fraqueza muscular, afinamento da pele, hematomas fáceis, pressão alta e maior suscetibilidade a infecções.

As opções de tratamento para a síndrome de Cushing dependem da causa subjacente e podem incluir cirurgia para remover tumores, ajustes na medicação ou outras intervenções para normalizar os níveis de cortisol.

Tumores hipofisários e produção de ACTH

Os tumores hipofisários podem interromper a regulação normal da produção de cortisol, afetando a produção e a liberação de ACTH.

Isso resulta nos sintomas e complicações associados à síndrome de Cushing. Por outro lado, os tumores na glândula pituitária que afetam a produção normal de ACTH podem causar diminuição dos níveis de ACTH e, subsequentemente, insuficiência adrenal, levando à diminuição da produção de cortisol

O diagnóstico e o tratamento de tumores hipofisários que envolvem a regulação do cortisol geralmente envolvem uma combinação de exames de imagem, medições de níveis hormonais e outros testes especializados.

As opções de tratamento dependem do tipo e do tamanho específicos do tumor e podem incluir cirurgia, radioterapia, medicamentos ou uma combinação dessas abordagens.

Medição dos níveis de cortisol

Os níveis de cortisol no corpo podem ser avaliados por meio de exames de urina e de sangue.

  • Exames de urina: Os exames de cortisol na urina envolvem a coleta de uma amostra de urina de 24 horas, que é analisada para medir a quantidade total de cortisol excretada. Esse teste avalia a produção de cortisol em um período mais longo, ajudando a avaliar a produção geral de cortisol.
  • Exames de sangue: esses exames são outro método para medir os níveis de cortisol. A medição do nível de cortisol matinal envolve a obtenção de uma amostra de sangue quando os níveis de cortisol estão normalmente em seu nível mais alto. Esse exame pode ajudar a diagnosticar condições como a síndrome de Cushing ou a insuficiência adrenal.
  • Testes de supressão: O teste de supressão de dexametasona é outro exame de sangue que avalia como o corpo responde ao corticosteroide sintético dexametasona. Ele ajuda a diferenciar as causas da desregulação do cortisol.

Os exames de sangue e de urina de cortisol são ferramentas valiosas para diagnosticar e monitorar a produção de cortisol e os distúrbios de regulação.

Eles fornecem informações importantes sobre os níveis de cortisol, ajudando os profissionais de saúde a determinar as abordagens de tratamento adequadas e a avaliar a eficácia das intervenções.

Perguntas frequentes sobre o cortisol

Quais são os efeitos do estresse crônico nos níveis de cortisol?

O estresse crônico pode levar a níveis elevados de cortisol no organismo.

Quando o corpo percebe uma ameaça ou passa por situações de estresse prolongado, o hipotálamo no cérebro libera o hormônio liberador de corticotropina (CRH), que estimula a glândula pituitária a liberar o hormônio adrenocorticotrópico (ACTH).

O ACTH, por sua vez, estimula as glândulas suprarrenais a liberar cortisol. Com o estresse crônico, esse processo pode ficar desregulado, resultando em níveis cronicamente altos de cortisol, o que pode ter efeitos prejudiciais em vários sistemas de órgãos do corpo.

Quais são os distúrbios comuns associados à produção de cortisol?

Os distúrbios associados à produção de cortisol incluem:

  • Insuficiência adrenal
  • Síndrome de Cushing,
  • Tumores hipofisários que afetam a produção de ACTH.

Na insuficiência adrenal, a produção de cortisol é insuficiente, enquanto na síndrome de Cushing, a produção de cortisol é excessiva. Os tumores da hipófise podem aumentar ou diminuir a produção de ACTH, resultando em níveis anormais de cortisol.

Referências

Fisiologia, Cortisol - StatPearls

Cortisol - ScienceDirect

Estresse e o eixo HPA - PMC

Efeitos do cortisol sobre a massa corporal, a pressão arterial e o colesterol na população em geral - AHA

Doença de Cushing / Síndrome de Cushing - OHSU

Estresse crônico, disfunção do cortisol e dor: uma justificativa psiconeuroendócrina para o controle do estresse na reabilitação da dor - PMC

Doença de Addison - Mayo Clinic

Isenção de responsabilidade

O conteúdo deste artigo é fornecido apenas para fins informativos e não se destina a substituir a orientação, o diagnóstico ou o tratamento médico profissional. É sempre recomendável consultar um profissional de saúde qualificado antes de fazer qualquer mudança relacionada à saúde ou se tiver alguma dúvida ou preocupação sobre sua saúde. A Anahana não se responsabiliza por quaisquer erros, omissões ou consequências que possam ocorrer com o uso das informações fornecidas.

Diafragma

8 min read

Diafragma

O diafragma desempenha um papel essencial no corpo, controlando a respiração, mantendo a postura e auxiliando na digestão. Um diafragma saudável é...

Proteínas de choque térmico

13 min read

Proteínas de choque térmico

Proteínas de choque térmico reveladas: Saiba mais sobre o papel vital dessas chaperonas moleculares na saúde celular, na resposta ao estresse e suas...

Hipertensão

9 min read

Hipertensão

A hipertensão é uma condição médica, geralmente assintomática, caracterizada por leituras específicas de pressão arterial acima de 140/90 mmHg. Se...

Fascite plantar

10 min read

Fascite plantar

A condição chamada fascite plantar é uma das causas mais comuns de dor no pé, especificamente no calcanhar. É uma síndrome dolorosa do calcanhar que...

Alongamento

8 min read

Alongamento

O alongamento aumenta a mobilidade de todo o corpo, a flexibilidade muscular, a força e evita lesões. A inclusão de alongamentos simples e seguros em...

Sistema circulatório

10 min read

Sistema circulatório

O sistema circulatório é um sistema do corpo composto por vasos sanguíneos que transportam o sangue em direção ao coração e para fora dele. A partir...