11

Distúrbios do Sono

Última atualização: 13/jul/2024 0:15:00

Featured Image

Table of Contents

O distúrbio do sono é um termo genérico que engloba várias condições de saúde que alteram os padrões de sono de uma pessoa. Há muitos tipos de distúrbios do sono, cada um apresentando sinais e sintomas diferentes. Os distúrbios do sono podem afetar a saúde física, mental e emocional, bem como a qualidade de vida geral do indivíduo.

Principais conclusões

  • Definição: Os distúrbios do sono são condições que afetam os padrões de sono, afetando a saúde geral.
  • Tipos: Inclui insônia, apneia do sono, síndrome das pernas inquietas e narcolepsia.
  • Sintomas: Dificuldade para adormecer e permanecer dormindo, sonolência diurna excessiva e padrões respiratórios anormais.
  • Causas: Estresse, fatores de estilo de vida, condições médicas e genética.
  • Tratamentos: Mudanças no estilo de vida, terapia cognitivo-comportamental, medicamentos e uso de dispositivos como máquinas CPAP.
  • Importância: O tratamento dos distúrbios do sono é fundamental para a prevenção de problemas de saúde, como doenças cardíacas e diabetes.

O sono é o processo físico pelo qual o corpo e a mente estão em um estado de repouso completo; ocorre falta de mobilidade física, bem como movimentos oculares lentos, resposta reduzida a estímulos externos, função cognitiva prejudicada e um estado inconsciente reversível. Embora não se saiba ao certo por que o sono é necessário, as pesquisas mostram que esse processo permite que o corpo e a mente realizem muitas funções, como restauração física, aprendizado e consolidação da memória.

A importância do sono

Está comprovado que a falta de sono causa muitos problemas de curto e longo prazo. Os seres humanos dormem por cerca de um terço de suas vidas. Portanto, é importante ressaltar a importância de ter um sono de boa qualidade para evitar efeitos adversos. As consequências de curto prazo da falta de sono incluem problemas de memória, dificuldade para pensar com clareza, atenção e concentração prejudicadas, qualidade de vida prejudicada, aumento das taxas de absenteísmo, redução da produtividade e aumento do risco de acidentes no trabalho, em casa ou na estrada.

Um longo período de tempo com sono insatisfatório leva à privação do sono, resultando em maior morbidade e mortalidade, doença arterial coronariana, insuficiência cardíaca, pressão alta, obesidade, diabetes mellitus tipo dois, acidente vascular cerebral, comprometimento da memória e depressão podem ocorrer quando um indivíduo é privado de sono. Os distúrbios do sono podem afetar muito a qualidade de vida e a vida familiar.

O ritmo circadiano

Os seres humanos possuem um relógio biológico interno que regula o processo de dormir e acordar. Esse processo estabelece o que é chamado de ritmo circadiano. Esse ciclo tem um ritmo diário que se repete em um período de aproximadamente 24 horas. Uma área do cérebro controla esse ritmo de sono-vigília chamada hipotálamo, que regula determinadas funções fisiológicas para promover o comportamento de sono e vigília. O funcionamento adequado desse ciclo leva a um sono reparador e a padrões normais de sono.

O ritmo circadiano, embora seja controlado internamente, também é influenciado por fatores ambientais externos, como sinais de tempo e luz. Uma alteração nesses fatores externos, como mudança de horário ou trabalho no turno da noite, pode causar desalinhamento e levar a certos problemas de sono.

Uma vez em um estado de sono, o corpo humano passa por duas fases de sono diferentes. O primeiro é o movimento rápido dos olhos (REM), que consiste em um estágio de sono mais leve e menos repousante. Na REM, todos os músculos do corpo ficam imóveis, exceto os olhos e os músculos da respiração, que permanecem ativos, daí o nome "movimento rápido dos olhos" Esse estágio é comumente identificado como o "estágio do sonho", pois a maioria dos sonhos e pesadelos acontece durante o estágio do sono do indivíduo. Essa parte do ciclo é normalmente curta e se torna mais longa à medida que a noite avança.

A segunda fase, chamada de sono sem movimentos rápidos dos olhos (NREM), pode ser subdividida em três estágios distintos. O NREM é o estágio em que o indivíduo passa a maior parte do sono; o NREM passa por ciclos de sono leve, sono mais profundo e sono mais profundo.

Tipos de distúrbios do sono

tipos de distúrbios do sono

Distúrbios do ritmo circadiano

O ritmo circadiano é o que regula nosso ciclo de sono e vigília. Quaisquer problemas com esse ciclo ou alterações em fatores externos podem causar distúrbios. O sono normalmente vence um indivíduo horas depois que o hipotálamo secreta melatonina (um hormônio do sono que causa cansaço).

Distúrbios de fase

O ritmo circadiano, ou o ciclo de sono-vigília, normalmente segue um relógio de 24 horas. Em alguns casos, o ciclo de sono humano é curto ou dura pouco mais de 24 horas. Isso faz com que o ritmo circadiano do indivíduo seja empurrado progressivamente para mais cedo ou mais tarde do que o normal. Essa resistência constante pode desalinhar substancialmente o ritmo circadiano, fazendo com que uma pessoa siga uma programação de sono diferente das demais. Isso é frequente em indivíduos cegos devido à ausência de sinais de luz e escuridão.

Em alguns casos, o processo de secreção de melatonina pode ocorrer tarde demais em comparação com os horários de sono programados pela sociedade. Isso resulta no que é chamado de distúrbio da fase de sono-vigília retardado. Essa condição não causa má qualidade do sono ou sintomas negativos; ela normalmente atrasa o sono em um determinado período. O indivíduo ainda acorda sentindo-se revigorado e bem descansado, mas adormece mais tarde do que o normal. Devido ao pequeno número de sintomas, muitas vezes não é diagnosticada ou é confundida com distúrbios como a insônia.

Por outro lado, o processo de sono pode ocorrer muito cedo em relação ao tempo normal de sono de um ser humano, causando um distúrbio avançado da fase sono-vigília. É exatamente a mesma coisa que o distúrbio da fase de sono-vigília retardado; entretanto, ele adianta o ciclo do sono em um determinado período de tempo.

Transtorno do sono em turnos de trabalho

Um último distúrbio do ritmo circadiano é o distúrbio do sono do trabalho em turnos, que pode ser explicado pelo seu nome: as pessoas que têm empregos com turnos alternados são suscetíveis a desenvolver esse distúrbio porque seguem intencionalmente um horário de sono diferente. Isso causa sintomas semelhantes aos da insônia, como dificuldade para dormir em horários normais e sonolência excessiva em horários inadequados.

Dissonias

Dissonias é um termo que designa condições de insônia e hipersonias, incluindo narcolepsia e hipersonia idiopática.

Insônia

A insônia é um distúrbio no qual as pessoas têm dificuldade de adormecer e de permanecer dormindo. As pessoas com essa condição geralmente se queixam de má qualidade do sono, dificuldade para adormecer ou início tardio do sono e de acordar com frequência no meio da noite ou no início da manhã. Essa é uma condição frustrante e causa outros sintomas de insônia, como sonolência excessiva durante o dia, problemas cognitivos que incluem comprometimento da memória e da atenção e distúrbios de humor. Uma apresentação prolongada desse distúrbio específico do sono pode causar insônia crônica, resultando em sintomas de insônia de longo prazo.

Ao analisar as causas desse distúrbio, é demonstrado que as pessoas com insônia têm um córtex cerebral mais ativo no momento do início do sono e durante o sono REM, fazendo com que se sintam mais despertas ou tenham mais distúrbios durante as fases REM. Esse córtex hiperativo, juntamente com fatores genéticos, comportamentais, cognitivos e emocionais, contribui para a insônia.

Hipersônia

A hipersonia causa sonolência diurna excessiva, mesmo com quantidades adequadas de sono à noite, e períodos de sono mais longos do que o normal ou necessário. Outros distúrbios do sono subjacentes, traumatismo craniano ou idiopatia podem causar hipersonias. Se a hipersonia for sem causa, então a pessoa tem hipersonia idiopática.

Parassonias

As parassonias são distúrbios que fazem com que a pessoa tenha movimentos e comportamentos anormais durante os períodos de sono ou vigília da noite. As parassonias não são tão comuns quanto outros distúrbios do sono e podem ser diagnosticadas erroneamente, às vezes confundidas com convulsões devido aos padrões de movimento incomuns que podem apresentar.

Algumas parassonias incluem o distúrbio comportamental do sono REM. Isso é mais comumente observado em indivíduos mais velhos e é descrito como a perda do sono REM devido à perda muscular e se apresenta com atividades motoras incomuns durante o sono. Quando observados, esses indivíduos apresentam movimentos violentos e comportamento de encenação de sonhos, muitas vezes resultando em ferimentos autoinfligidos ou ferimentos em outras pessoas.

Pavor Nocturnus

O terror do sono, ou Pavor Nocturnus, causa períodos de sintomas autonômicos e motores intensos, como um grito, durante a fase mais profunda do sono sem movimentos rápidos dos olhos. Esse distúrbio do sono é muito comum entre 5 e 7 anos de idade, especialmente em crianças com histórico de sonambulismo. Esses indivíduos acordam confusos e inconsoláveis, sem causa aparente.

Narcolepsia

Outra parassonia menos comum é a narcolepsia, um distúrbio no qual a pessoa apresenta sonolência diurna excessiva e sente uma vontade irresistível de dormir em horários e circunstâncias inadequados, além de fraqueza muscular súbita e inexplicável. Muitos chamam esses episódios de "ataques de sono" porque eles ocorrem de forma repentina e imprevisível. Esses ataques de sono podem durar de 20 a 30 minutos, e a pessoa geralmente se sente mais revigorada quando termina.

Em geral, o ritmo circadiano é facilmente definido por seus estágios de sono-vigília. Condições como a paralisia do sono podem ampliar esses limites. É uma condição na qual o indivíduo é fisicamente incapaz de se mover, seja logo após adormecer ou ao acordar. A pessoa experimenta paralisia física enquanto está completamente consciente em sua mente, muitas vezes experimentando alucinações visuais relacionadas ao sono e a impressão de que está sendo sufocada.

Um mistério clínico, acredita-se que essa parassonia seja resultado de um estado misto de consciência. As alucinações muitas vezes podem ser assustadoras, fazendo com que a pessoa se sinta assustada e ansiosa.

Distúrbios respiratórios relacionados ao sono

Os distúrbios respiratórios relacionados ao sono geralmente incluem apneia obstrutiva do sono, apneia central do sono e hipoventilação relacionada ao sono. A apneia do sono é outro termo geral que engloba três tipos: apneia obstrutiva do sono, apneia central do sono e apneia central do sono. Todos eles se enquadram na mesma definição geral: uma pausa momentânea na respiração durante o sono. A apneia obstrutiva do sono ocorre quando há uma obstrução das vias aéreas superiores durante o sono, causando uma pausa na respiração por um período mínimo de 10 segundos. Isso pode ser visto como um problema físico, como a estrutura das vias aéreas.

Por outro lado, a apneia central do sono é causada por uma pausa no fluxo de ar quando ocorre uma falta de esforço para respirar. Isso é considerado um problema fisiológico decorrente do centro respiratório do cérebro. Uma combinação dos dois tipos de apneia do sono é chamada de apneia complexa do sono.

Essa condição pode passar despercebida por um longo período de tempo porque os sintomas geralmente são observados. Um indivíduo com essa condição apresentará ronco, engasgos ou respiração ofegante, episódios de apneia vivenciados por um parceiro na cama, fadiga excessiva durante o dia e acordar com dor de cabeça.

Esse distúrbio do sono pode ser bastante grave e pode colocar o indivíduo em risco de desenvolver muitas doenças graves se não for tratado. Por exemplo, hipertensão, diabetes tipo 2 e doenças cardiovasculares podem ocorrer se não forem tratadas.

Síndrome das pernas inquietas

A síndrome das pernas inquietas é uma condição na qual uma sensação desagradável está presente, causando a vontade de mover as pernas constantemente. Embora esteja entre os distúrbios do sono mais comuns, essa condição geralmente não é diagnosticada ou é diagnosticada incorretamente devido ao fato de os sintomas serem muito subjetivos e difíceis de descrever e à falta de testes de diagnóstico.

A síndrome das pernas inquietas é uma condição que dura a vida toda e é normalmente percebida em uma idade mais jovem, mas muitas vezes não é diagnosticada até mais tarde na vida. Os sintomas normalmente incluem uma variedade de sensações nos membros inferiores, entre o joelho e o tornozelo, como formigamento, dor, queimação, entre outros. Essas sensações causam um desejo insaciável de movimentar as pernas, daí a "síndrome das pernas inquietas".

Essa condição é considerada um distúrbio do sono porque a inquietação observada nessas pessoas ocorre com mais frequência no final do dia, quando o indivíduo está tentando adormecer. Isso causa dificuldade para adormecer e pode levar a distúrbios do sono, um dos principais motivos pelos quais essas pessoas geralmente procuram atendimento médico.

Transtorno do movimento periódico dos membros

Embora semelhante à síndrome das pernas inquietas, esse distúrbio tem sintomas distintos e diferentes diagnósticos e tratamentos. Essa condição faz com que as pernas e os braços se movimentem durante o sono. Essa condição geralmente leva à sonolência diurna e pode ser causada pela síndrome das pernas inquietas.

Distúrbios do sono e saúde mental

como os distúrbios do sono afetam a saúde mentalO sono e a saúde mental muitas vezes estão interligados. Embora muitas vezes sejam o resultado de problemas de saúde mental, os distúrbios do sono também podem causar problemas mentais. É de conhecimento geral que uma pessoa que tem uma noite de sono ruim pode estar de mau humor no dia seguinte.

O sono está frequentemente ligado à saúde mental, mostrando uma relação com doenças como depressão, ansiedade, transtorno bipolar e muitas outras. Esses problemas de saúde mental geralmente dificultam o sono, levando a um distúrbio do sono. Os distúrbios do sono, como a insônia, podem dificultar muito a obtenção de um sono reparador, resultando nas mesmas condições de saúde mental mencionadas anteriormente.

Foi demonstrado que o ciclo do sono afeta a capacidade do cérebro de processar informações emocionais. As diferentes atividades cerebrais presentes e exibidas durante os diferentes estágios do sono têm um papel importante na saúde emocional de uma pessoa. Sem um número suficiente dessas ondas cerebrais e sem passar tempo suficiente nesses estágios específicos, as pessoas podem desenvolver problemas de saúde mental. Além disso, um estado crônico de privação de sono tem mostrado com frequência o desenvolvimento de psicose relacionada ao sono, outro problema de saúde mental.

Distúrbios do sono e doenças neurodegenerativas

Muitas doenças neurodegenerativas têm sido comumente associadas a determinados distúrbios do sono. O distúrbio comportamental do sono REM pode ser tomado como exemplo; frequentemente observado na população idosa e é comum em indivíduos com doença de Parkinson, atrofia de múltiplos sistemas, doença difusa de corpos de Lewy com demência, degeneração corticobasal, atrofia olivopontocerebelar, paralisia supranuclear progressiva. O desenvolvimento de RBD em pessoas com essas condições neurológicas pode ser atribuído ao tema comum de perda ou modificação muscular experimentado pelos pacientes.

Diagnóstico

Como os problemas subjacentes causam muitas condições do sono, o diagnóstico dos distúrbios do sono geralmente começa com a descoberta da causa. Se não houver uma causa subjacente, o diagnóstico é feito por meio de um exame físico e de um diagnóstico baseado em sintomas. Ao apresentar sintomas, é uma boa ideia manter um diário do sono, anotando todos os sintomas e acompanhando o padrão de sono. Isso ajuda muito a facilitar o diagnóstico.

Muitos distúrbios do sono exigem estudos do sono, um processo no qual a pessoa é observada enquanto dorme por meio de vários equipamentos. Ele rastreia qualquer movimento ou ruído incomum, atividade cerebral e atividade respiratória. Tudo isso permite o diagnóstico de diferentes distúrbios do sono, como insônia, apneia do sono, paralisia do sono e outros.

Tratamento de distúrbios do sono

tratamentos para distúrbios do sonoEmbora alguns possam ser difíceis de tratar, a maioria dos distúrbios do sono é facilmente gerenciada com as intervenções adequadas. A primeira etapa do tratamento de problemas de sono é descobrir a causa. Uma vez identificada a causa, esse problema subjacente geralmente pode ser tratado. Por exemplo, uma pessoa que sofre de um transtorno de ansiedade e tem problemas para dormir precisará primeiro ser tratada para o transtorno de ansiedade.

O tratamento da causa subjacente não remove essa causa ou simplesmente não tem nenhum efeito sobre o distúrbio do sono. A próxima etapa é tratar o distúrbio do sono usando várias intervenções diretamente. Os tratamentos comuns incluem terapia cognitivo-comportamental como um tratamento não medicamentoso e muitos tipos diferentes de medicamentos para o sono, como benzodiazepínicos, agonistas do receptor de melatonina, antidepressivos, antipsicóticos e muitos outros.

O tratamento é essencial para problemas de sono mais graves, como a apneia do sono. Essas pessoas geralmente precisam de um aparelho de CPAP, que ajuda a fornecer ar por meio de tubos em uma máscara que o indivíduo usa durante a noite.

Há muitos outros tratamentos disponíveis, todos muito diferentes de acordo com o distúrbio que está sendo tratado. Ao aderir aos tratamentos recomendados, é possível manter uma boa saúde física e um bem-estar geral positivo e qualidade de vida sem desenvolver outras consequências.

Consequências da má qualidade do sono

Os distúrbios do sono foram estudados minuciosamente sob muitos ângulos diferentes, e concluiu-se que a privação do sono, seja devido ao estilo de vida ou a distúrbios do sono, tem muitos efeitos de curto e longo prazo sobre a saúde física e mental de uma pessoa. É importante ter um bom horário de sono, praticar uma boa higiene e procurar ajuda se surgirem sintomas de um distúrbio do sono para evitar complicações.

Melhorando o sono

A base para melhorar o sono começa com bons hábitos de sono, que incluem:

  • Ser consistente, indo dormir e acordando no mesmo horário todos os dias.
  • Garantir que o ambiente de sono seja escuro e silencioso.
  • Remover todos os aparelhos eletrônicos do quarto.
  • Evitar o uso de telas pelo menos uma hora antes de dormir.
  • Evitar grandes refeições, cafeína e álcool antes de dormir, além de manter-se fisicamente ativo durante o dia.

Esses hábitos de sono são importantes para melhorar o sono. A implementação desses hábitos pode ajudar a evitar distúrbios do sono e a adormecer e dormir o suficiente. Se os sintomas de distúrbios do sono estiverem presentes, é importante procurar ajuda de um especialista para evitar o desenvolvimento de comorbidades e complicações, bem como para melhorar a qualidade geral do sono.

Perguntas frequentes

Qual é o distúrbio do sono mais comum?

Alguns dos distúrbios do sono mais importantes ou comuns incluem insônia, narcolepsia, síndrome das pernas inquietas (SPI) e apneia do sono.

Qual é o distúrbio do sono mais grave?

A apneia do sono pode ser considerada o distúrbio do sono mais grave. Por apresentar uma interrupção da respiração regular ou obstrução das vias aéreas durante o sono, esse distúrbio do sono pode causar complicações graves e sérias à saúde; deve ser tratado por um profissional de saúde assim que os sintomas surgirem.

Quanto tempo de sono um adulto precisa?

A quantidade recomendada de sono por noite varia de acordo com a faixa etária. Para adultos de 18 a 60 anos, 7 ou mais horas por noite parece ser o ideal. É importante observar que a qualidade do sono também é importante. Para garantir uma saúde física e geral ideal, é fundamental dormir bem todas as noites e acordar sentindo-se revigorado e bem descansado.