10

Alzheimer

Última atualização: 6/dez/2023 16:17:34

Featured Image

Table of Contents

Entendendo a doença de Alzheimer: Obtenha informações sobre as causas, os sintomas e os possíveis tratamentos para essa doença neurodegenerativa complexa e desafiadora.

Explicação sobre o Alzheimer

A doença de Alzheimer é uma condição neurológica progressiva e crônica que causa a deterioração das células cerebrais, levando ao encolhimento do cérebro e à morte das células nervosas.

Essa degeneração afeta principalmente as regiões do cérebro responsáveis pela memória e pelo pensamento, resultando em deficiências cognitivas graves e irreversíveis.

Os sintomas da doença de Alzheimer pioram gradualmente com o tempo, interferindo na capacidade do indivíduo afetado de realizar as atividades diárias de forma independente.

A doença de Alzheimer é a causa mais prevalente de demência, responsável por 60 a 80% dos casos.

Demência é um termo geral que descreve um declínio na função cognitiva, na memória, no pensamento e no comportamento, a ponto de interferir na capacidade de realizar tarefas diárias. A demência não é uma doença específica, mas um grupo de sintomas que podem ser causados por diferentes distúrbios subjacentes.

O início da doença de Alzheimer é geralmente gradual, e os primeiros sintomas podem ser confundidos com envelhecimento normal ou estresse.

À medida que a doença progride, os sintomas se tornam mais graves, afetando a memória, a linguagem, a capacidade de julgamento e a personalidade, levando, por fim, à dependência total dos cuidadores.

Atualmente, não há cura para a doença de Alzheimer, e os tratamentos se concentram no controle dos sintomas e na melhoria da qualidade de vida do indivíduo.

Histórico da doença de Alzheimer

O distúrbio neurodegenerativo foi descrito pela primeira vez por Alois Alzheimer em 1906.

Alois, psiquiatra e neuroanatomista, relatou o caso de uma mulher de 50 anos que sofria de perda de memória, delírios, alucinações, agressividade e confusão, que pioraram até sua morte cinco anos depois. Em sua autópsia, ele identificou as marcas registradas da doença de Alzheimer: placas e emaranhados.

Embora a doença de Alzheimer já tenha sido considerada uma forma rara de demência, o editorial histórico do neurologista Robert Katzman em 1976 mudou a perspectiva. Katzman descreveu a doença de Alzheimer como um "grande assassino" e um desafio de saúde pública que afeta muitas pessoas em todo o mundo.

Foram formadas organizações para arrecadar fundos para pesquisas e aumentar a conscientização das pessoas afetadas pela doença.

Desde então, mais de 45.000 artigos foram publicados sobre o Alzheimer, investigando suas causas, efeitos e possíveis tratamentos. Também estão sendo feitos esforços para melhorar a qualidade de vida das pessoas com Alzheimer, incluindo cuidados centrados na pessoa em instalações de longo prazo.

Tipos de doença de Alzheimer

A doença de Alzheimer pode ser classificada em dois tipos principais: doença de Alzheimer esporádica e doença de Alzheimer familiar.

Doença de Alzheimer esporádica

O Alzheimer esporádico é a forma mais comum da doença de Alzheimer e não está ligado a nenhum histórico familiar específico. Acredita-se que ela seja causada por fatores genéticos, ambientais e de estilo de vida.

Pesquisas demonstraram que a idade é o fator de risco mais significativo para o desenvolvimento da doença de Alzheimer esporádica, com o início ocorrendo normalmente após os 60-65 anos de idade.

Doença de Alzheimer Familiar (FAD)

A DAF é uma forma rara da doença de Alzheimer herdada diretamente dos pais para os filhos. A DAF é responsável por menos de 5% de todos os casos e é causada por mutações genéticas específicas que levam ao desenvolvimento da doença.

As pessoas com DAF têm 50% de chance de passar o gene causador da doença para seus filhos. A DAF tem os mesmos sintomas da doença de Alzheimer esporádica, mas o início pode ocorrer em qualquer idade, mesmo em indivíduos com 30 ou 40 anos.

Embora atualmente não haja cura para a DAF, os testes genéticos podem ajudar a identificar indivíduos com risco de desenvolver a doença, e a intervenção precoce pode ajudar a retardar sua progressão.

Causas da doença de Alzheimer

O fator de risco mais significativo é a idade, sendo que a probabilidade de desenvolver a doença de Alzheimer aumenta significativamente após os 65 anos. Outros fatores de risco incluem genética, fatores ambientais e fatores de estilo de vida.

Genética e doença de Alzheimer

Pesquisadores identificaram genes ligados à doença de Alzheimer que controlam o funcionamento de todas as células do corpo, aumentando o risco de contrair certas doenças, inclusive a doença de Alzheimer. Há dois tipos de genes relacionados ao mal de Alzheimer: os de risco e os determinísticos.

Os genes de risco, como a apolipoproteína E (APOE), aumentam a probabilidade de contrair a doença de Alzheimer.

Portar um gene APOE e4 dobra ou triplica o risco de desenvolver Alzheimer, enquanto ter dois genes aumenta ainda mais o risco.

O estilo de vida, a raça, a etnia e o ambiente também desempenham um papel importante no desenvolvimento da doença; ter os genes APOE e4 não significa necessariamente que um indivíduo desenvolverá Alzheimer.

Além da APOE, os pesquisadores identificaram ligações entre a doença de Alzheimer de início tardio e outros genes, como ABCA7, CLU, CR1, PICALM, PLD3, TREM2 e SORL1.

As alterações nesses genes podem aumentar o risco de Alzheimer, mas nem todas as pessoas com um gene alterado desenvolverão a doença de Alzheimer.

Os genes determinísticos garantem que qualquer pessoa que herdar o gene desenvolverá Alzheimer.

Poucos indivíduos com a doença de Alzheimer têm o tipo de início jovem, que está fortemente ligado aos genes. Os cientistas descobriram três genes que causam a doença de Alzheimer de início precoce, incluindo a proteína precursora de amiloide (APP), a presenilina 1 (PSEN1) e a presenilina 2 (PSEN2).

Esses genes são responsáveis por cerca de metade dos casos de doença de Alzheimer de início precoce. Embora a maioria dos especialistas não recomende rotineiramente o teste genético para a doença de Alzheimer de início tardio, o teste pode ser útil em certos casos de doença de Alzheimer de início precoce.

Fatores ambientais e a doença de Alzheimer

Embora os fatores genéticos tenham sido implicados no desenvolvimento do Alzheimer, há cada vez mais evidências que sugerem que os fatores ambientais também podem desempenhar um papel.

Vários estudos exploraram a associação entre fatores de risco ambientais e o surgimento da doença de Alzheimer. Esses fatores de risco incluem a exposição a:

  • Campos eletromagnéticos (CEM): Os campos eletromagnéticos têm sido o fator de risco ambiental mais investigado e estudado. Foi relatado que ele afeta vários processos no corpo, inclusive a homeostase do cálcio e a produção de melatonina no cérebro. Indivíduos com exposição média a alta a campos eletromagnéticos têm de duas a três vezes mais chances de desenvolver a doença do que aqueles com exposição baixa a baixa.
  • Solventes: Alguns estudos sugeriram que a exposição a solventes pode resultar em neurotoxicidade e comprometimento cognitivo.
  • Metais pesados: A exposição a metais pesados, como o chumbo, resultou em modificações epigenéticas dos genes relacionados à doença de Alzheimer e em uma expressão desregulada mais tarde na vida.

Fatores de estilo de vida e doença de Alzheimer

Evidências crescentes mostram que manter fatores de estilo de vida saudáveis é fundamental para reduzir o risco do mal de Alzheimer e de outras formas de demência.

  • Genética: Vários estudos demonstraram que as pessoas que seguem um estilo de vida saudável têm menos probabilidade de desenvolver a doença de Alzheimer, mesmo que tenham uma predisposição genética.
  • Hábitos alimentares: Um grande estudo realizado no Vanderbilt University Medical Center descobriu que as pessoas que seguiam uma dieta de estilo mediterrâneo rica em frutas, legumes, grãos integrais e peixes tinham um risco menor de desenvolver a doença de Alzheimer do que aquelas que não seguiam essa dieta.
  • Exercícios: Outro estudo descobriu que a prática regular de exercícios e fatores de estilo de vida saudável estavam associados a um risco menor de doença de Alzheimer, melhorando a função cognitiva em indivíduos com comprometimento cognitivo leve.
  • Sono: A privação crônica do sono e a má qualidade do sono têm sido associadas a um risco maior de doença de Alzheimer, pois o sono é importante para o cérebro eliminar proteínas prejudiciais, como a beta-amiloide.

Sintomas comportamentais

Os sintomas comportamentais são comuns em pessoas com Alzheimer e podem ser angustiantes para os portadores da doença e seus cuidadores. Esses sintomas podem incluir agressividade, agitação, perambulação, depressão, ansiedade e alterações nos padrões de sono.

Nos estágios iniciais da doença, os indivíduos podem apresentar alterações de humor ou ficar irritados ou apáticos. À medida que a doença progride, esses sintomas podem se tornar mais pronunciados e atrapalhar a vida cotidiana.

A agitação e a agressividade podem ser particularmente desafiadoras para os cuidadores administrarem. Esses comportamentos podem ser desencadeados por confusão ou frustração com tarefas diárias ou situações sociais e podem ser exacerbados por fatores ambientais, como barulho ou superestimulação.

As pessoas com Alzheimer também podem vagar ou ficar desorientadas, o que pode ser perigoso se elas não conseguirem encontrar o caminho de volta para casa.

Os cuidadores podem precisar implementar medidas de segurança para evitar quedas ou acidentes, como a instalação de travas nas portas ou o uso de dispositivos de rastreamento por GPS.

As alterações nos padrões de sono também são comuns na doença de Alzheimer, com os indivíduos apresentando distúrbios do sono, perambulação noturna ou cochilos diurnos. Essas alterações podem levar à fadiga, à diminuição do estado de alerta e ao aumento dos sintomas comportamentais durante as horas de vigília.

Os cuidadores podem precisar estabelecer uma programação de sono consistente, minimizar os cochilos diurnos e criar um ambiente de sono confortável para ajudar a controlar esses sintomas.

Diagnóstico

Ao diagnosticar a doença de Alzheimer, os profissionais de saúde utilizam vários métodos e ferramentas para determinar se uma pessoa com problemas de memória ou cognitivos tem a doença.

Eles começam entrevistando o indivíduo com sintomas e um membro da família ou amigo para coletar informações sobre sua saúde geral, uso de medicamentos, histórico médico anterior, capacidade de realizar atividades diárias e alterações comportamentais.

O profissional de saúde também realizará testes para avaliar a memória, a atenção, a linguagem, a resolução de problemas e a contagem. Ele poderá solicitar exames médicos padrão, como exames de sangue e de urina, para identificar outras possíveis causas do problema.

Avaliações psiquiátricas também podem ser realizadas para descartar problemas de saúde mental subjacentes.

Para confirmar o diagnóstico de Alzheimer ou descartar outras possíveis causas dos sintomas, os profissionais de saúde podem realizar exames cerebrais, como tomografia computadorizada (TC), ressonância magnética (RM) ou tomografia por emissão de pósitrons (PET).

Eles também podem coletar o líquido cefalorraquidiano (LCR) por meio de uma punção lombar para medir os níveis de proteínas associadas à doença de Alzheimer e demências relacionadas. Os profissionais de saúde podem repetir esses testes para determinar como a memória e as funções cognitivas da pessoa mudam.

O diagnóstico precoce da doença de Alzheimer é fundamental. Embora não haja cura para a doença de Alzheimer, estão surgindo medicamentos para tratar a progressão da doença, e alguns medicamentos podem ajudar a controlar os sintomas.

O diagnóstico precoce permite que as pessoas com Alzheimer e suas famílias planejem o futuro, cuidem de questões financeiras e jurídicas, abordem possíveis problemas de segurança, aprendam sobre como viver e desenvolvam redes de apoio.

Especialistas como geriatras, psiquiatras geriátricos, neurologistas e neuropsicólogos podem oferecer diagnósticos detalhados ou avaliações adicionais.

As clínicas e os centros de memória, incluindo os Centros de Pesquisa da Doença de Alzheimer, também podem oferecer serviços de diagnóstico com acesso a testes de diagnóstico avançados.

Progressão da doença

A doença de Alzheimer é um distúrbio progressivo que piora gradualmente com o tempo. A taxa de progressão pode variar de pessoa para pessoa.

Doença de Alzheimer moderada

A doença de Alzheimer moderada geralmente envolve perda de memória e confusão mais graves.

As pessoas com Alzheimer moderado podem começar a ter dificuldade para reconhecer familiares e amigos, ter problemas com a fala e a linguagem, apresentar mudanças de personalidade e precisar de mais assistência nas atividades diárias.

Doença de Alzheimer grave

A doença de Alzheimer grave é o estágio avançado, caracterizado por um declínio significativo da função cognitiva, incluindo a capacidade de se comunicar, mover-se de forma independente e cuidar de si mesmo.

As pessoas com Alzheimer grave podem não conseguir reconhecer os familiares e perder a capacidade de falar, comer e engolir. Elas também podem apresentar incontinência e precisar de assistência em todas as atividades da vida diária, inclusive comer, tomar banho e vestir-se.

Nesse estágio, os indivíduos podem ficar acamados e precisar de cuidados 24 horas por dia.

Doença de Alzheimer de início precoce

A doença de Alzheimer de início precoce é um tipo de Alzheimer que ocorre antes dos 65 anos de idade. É menos comum do que a doença de Alzheimer de início tardio e geralmente é causada por uma mutação genética.

As pessoas com Alzheimer de início precoce podem apresentar perda de memória, confusão, dificuldade para resolver problemas e planejar, além de mudanças no humor e no comportamento. Elas também podem ter dificuldade com a fala e a linguagem e apresentar mudanças de personalidade.

A progressão da doença em indivíduos com Alzheimer de início precoce pode ser mais rápida do que naqueles com Alzheimer de início tardio.

Doença de Alzheimer de início tardio

A doença de Alzheimer de início tardio é a forma mais comum de Alzheimer e geralmente ocorre após os 65 anos de idade. Embora a causa exata da doença de Alzheimer de início tardio seja desconhecida, acredita-se que seja uma combinação de fatores genéticos, ambientais e de estilo de vida.

Os sintomas da doença de Alzheimer de início tardio podem incluir perda de memória, confusão, dificuldade para resolver problemas e planejar, além de alterações no humor e no comportamento. As pessoas com Alzheimer de início tardio também podem ter dificuldades de fala e linguagem, apresentar mudanças de personalidade e precisar de assistência nas atividades diárias.

A progressão da doença pode ser mais lenta do que em indivíduos com Alzheimer de início precoce, mas ainda assim pode afetar significativamente a qualidade de vida da pessoa.

Tratamento da doença de Alzheimer

O tratamento da doença de Alzheimer é multifacetado, envolvendo vários métodos para retardar a progressão da doença e controlar os sintomas. Embora não exista uma maneira direta de curar a doença de Alzheimer, as intervenções abaixo têm como alvo os sintomas:

  • Intervenções não farmacológicas: As intervenções não farmacológicas são um aspecto importante do tratamento, e as mudanças no estilo de vida são fundamentais para melhorar a qualidade de vida das pessoas com Alzheimer. Essas intervenções incluem exercícios físicos regulares, uma dieta saudável e envolvimento social.
  • Terapias modificadoras da doença: As terapias modificadoras da doença são projetadas para retardar ou interromper a progressão da doença de Alzheimer, visando às suas causas subjacentes. Apesar de não haver medicamentos modificadores da doença aprovados para a doença de Alzheimer, os ensaios clínicos estão explorando vários tratamentos.
  • Imunoterapia: A imunoterapia, que envolve o uso de anticorpos para remover as placas beta-amiloides do cérebro, é uma abordagem promissora. O combate à inflamação no cérebro também demonstrou potencial no tratamento do Alzheimer.
  • Ensaios clínicos: Os estudos clínicos são fundamentais para o desenvolvimento de novos tratamentos para a doença de Alzheimer. Esses estudos avaliam a segurança e a eficácia de possíveis medicamentos e terapias. Por exemplo, o Estudo A4 testa a eficácia de um medicamento antiamiloide em pessoas com risco de Alzheimer. O estudo TRC-PAD também testa a eficácia de vários medicamentos em pessoas com Alzheimer em estágio inicial.

Prevenção da doença de Alzheimer

A prevenção do Mal de Alzheimer é um dos principais focos de pesquisa, pois atualmente não há cura para essa doença debilitante. Embora não existam maneiras garantidas de prevenir o Alzheimer, vários fatores de estilo de vida podem ajudar a reduzir o risco de desenvolver a doença.

Envelhecimento saudável

O envelhecimento saudável envolve a manutenção do bem-estar físico, mental e social durante todo o processo de envelhecimento.

Muitos fatores de estilo de vida, incluindo atividade física regular, dieta saudável e boa higiene do sono, podem promover o envelhecimento saudável.

O exercício regular pode ajudar a manter a função física e reduzir o risco de doenças crônicas, como doenças cardíacas e diabetes.

Uma dieta saudável, incluindo frutas, legumes, grãos integrais, proteína magra e gorduras saudáveis, pode ajudar a prevenir doenças crônicas e manter a função cognitiva.

Uma boa higiene do sono, incluindo um horário de sono consistente e uma rotina relaxante na hora de dormir, também pode ajudar a promover a saúde física e mental.

Fatores adicionais de estilo de vida

É importante reconhecer que certas escolhas de estilo de vida podem afetar significativamente a saúde e o bem-estar geral. Evitar o fumo e limitar o consumo de álcool são componentes essenciais de um estilo de vida saudável.

O tabagismo é um importante fator de risco para muitas doenças crônicas, incluindo doenças cardiovasculares, câncer de pulmão e Alzheimer.

Além disso, o consumo excessivo de álcool também pode aumentar o risco de doenças crônicas e declínio cognitivo.

Perguntas frequentes sobre a doença de Alzheimer

O que é o mal de Alzheimer?

A doença de Alzheimer é um distúrbio cerebral progressivo que afeta a memória, o pensamento e o comportamento.

Quais são os sintomas do mal de Alzheimer?

Os sintomas da doença de Alzheimer incluem perda de memória, confusão, dificuldade para realizar tarefas familiares, alterações no humor ou no comportamento e dificuldade de comunicação.

A doença de Alzheimer pode ser curada?

Atualmente, não há cura para a doença de Alzheimer, mas existem medicamentos e terapias que podem ajudar a controlar os sintomas e melhorar a qualidade de vida.

Alzheimer é o mesmo que demência?

A doença de Alzheimer é um tipo de demência, mas também existem muitos outros tipos de demência, como a demência vascular e a demência com corpos de Lewy.

Referências

Alois Alzheimer - Irrenarzt mit Mikroskop

Genes do Alzheimer: Você está em risco? - MayoClinic

Ensaios clínicos para terapias modificadoras de doença na doença de Alzheimer: A Primer, Lessons

Fatores de risco ambientais para demência: uma revisão sistemática - BMC Geriatrics

Como a doença de Alzheimer é diagnosticada? - Instituto Nacional do Envelhecimento

Como a doença de Alzheimer é tratada? - Instituto Nacional do Envelhecimento

Isenção de responsabilidade

O conteúdo deste artigo é fornecido apenas para fins informativos e não se destina a substituir a orientação, o diagnóstico ou o tratamento médico profissional. É sempre recomendável consultar um profissional de saúde qualificado antes de fazer qualquer mudança relacionada à saúde ou se tiver alguma dúvida ou preocupação sobre sua saúde. A Anahana não se responsabiliza por quaisquer erros, omissões ou consequências que possam ocorrer com o uso das informações fornecidas.

Hipertensão

9 min read

Hipertensão

A hipertensão é uma condição médica, geralmente assintomática, caracterizada por leituras específicas de pressão arterial acima de 140/90 mmHg. Se...

Neurotransmissores

13 min read

Neurotransmissores

Os neurotransmissores são mensageiros químicos que transportam mensagens de uma célula nervosa para outra. Essas moléculas minúsculas são a chave...

Sistema respiratório

12 min read

Sistema respiratório

O sistema respiratório é um dos sistemas mais vitais do corpo humano, responsável por fornecer oxigênio ao corpo e eliminar o dióxido de carbono.

Variabilidade da frequência cardíaca

10 min read

Variabilidade da frequência cardíaca

A variabilidade da frequência cardíaca é a variação natural do tempo entre os batimentos cardíacos. A alta variabilidade indica melhor saúde e uma...

Hormônios do estresse

12 min read

Hormônios do estresse

Os hormônios do estresse são liberados em resposta ao estresse ambiental. O estresse crônico leva à produção excessiva de hormônios do estresse,...

Jejum intermitente

7 min read

Jejum intermitente

Quer perder peso e melhorar sua saúde? O jejum intermitente pode ser a chave.