13

Sistema límbico

Última atualização: 20/mai/2023 12:53:17

Featured Image

Table of Contents

De acordo com a evolução, o sistema límbico é uma das partes mais antigas de nosso cérebro. De acordo com teorias como o modelo do cérebro trino, ele também é comumente chamado de cérebro emocional ou sistema nervoso emocional.

As pesquisas no campo da neurociência forneceram informações sobre as funções do sistema límbico nas respostas comportamentais e emocionais e como ele molda nossos comportamentos. O sistema límbico também pode ser chamado de lobo límbico.

 

Definição do sistema límbico

Sistema límbico explicadoO sistema límbico é uma região do cérebro que atua como um sistema de rede. Com muitas partes interconectadas, ele é responsável pelo controle de uma variedade de impulsos emocionais, além de ser fundamental na formação da memória. Os principais componentes do sistema límbico incluem o hipocampo, a amígdala, o tálamo e o hipotálamo. Sua localização é embaixo do córtex cerebral.

 

História do sistema límbico

Algumas das primeiras teorias empíricas sobre o sistema límbico vieram de Aristóteles, o antigo filósofo grego. Ele afirmou que o centro da inteligência e das emoções vinha do coração e que a memória gerava aprendizado com base em emoções e sentimentos. Mais tarde, viria Galeno, também conhecido como Aelius Galenus, um neuroanatomista que descobriu as funções cerebrais e o sistema nervoso autônomo. Suas opiniões se opunham às de Aristóteles, pois ele acreditava que o cérebro era o centro da inteligência.

Na Idade Média, a neuroanatomia e a neurofisiologia estavam se tornando mais avançadas. Uma descoberta importante envolveu a ligação de várias estruturas cerebrais a funções como a percepção visual e outras sensações. O termo sistema límbico tem origem na era contemporânea, por volta do século XIX. As duas figuras proeminentes e influentes dessa época foram Charles Darwin e o psicólogo americano William James.

Darwin escreveu sobre duas ideias importantes. A primeira era que as emoções dos seres humanos eram semelhantes às dos animais, pois expressavam comportamentos emocionais observados de forma semelhante nos animais. A segunda era que as emoções são universais e distintas, independentes de culturas ou normas sociais. James, por outro lado, propôs que as emoções eram simplesmente uma resposta a mudanças físicas que ocorriam em todo o corpo e eram transmitidas ao cérebro, permitindo assim que os indivíduos interpretassem suas próprias emoções. 1978 foi o ano em que o termo "lobo límbico" foi cunhado pela primeira vez pelo anatomista francês Paul Brocha. É uma tradução da palavra latina para a borda.

A pesquisa ainda está investigando a teoria do sistema límbico no século XX. Entender o circuito neural, os limites anatômicos e os reflexos comportamentais são apenas algumas das áreas que estão sendo investigadas atualmente em relação ao lobo límbico.

Por exemplo, um trabalho recente está sendo feito para entender as ligações entre os sistemas vestibular (equilíbrio) e límbico na regulação das emoções. O sistema vestibular é essencial para o equilíbrio e o bem-estar do corpo. As técnicas de estimulação vestibular podem efetivamente aliviar o estresse e contribuir potencialmente para o bem-estar emocional. Portanto, as técnicas de estimulação vestibular podem influenciar as emoções. Essa revisão entra em mais detalhes sobre as emoções como estados mentais despertados e que essas técnicas, dependendo da região de estimulação, podem influenciar determinados estados emocionais. Eles dão o exemplo da cadeira giratória usada para tratar a mania ou a excitação elevada no século XIX. Os autores sugerem que as pesquisas nessa área apoiam a estimulação vestibular como uma terapia para distúrbios relacionados ao estresse, como uma alternativa a medicamentos e outras terapias. No entanto, eles afirmam que os mecanismos que levam aos benefícios dessas técnicas ainda estão sendo explorados e são essenciais para otimizar os benefícios terapêuticos.

 

Funções do sistema límbico

funções do sistema límbicoConforme mencionado, o sistema límbico funciona como um sistema de sinalização para formar e contribuir para emoções complexas e outras funções cerebrais, como a memória. Apesar dos muitos componentes do sistema límbico, a questão é que eles geralmente trabalham juntos. Por exemplo, embora o medo seja mais comumente associado à amígdala, outras áreas cerebrais também respondem ao medo.

A puberdade é um estágio crucial do desenvolvimento do sistema límbico, pois ocorrem mudanças significativas. Por exemplo, a amígdala se desenvolve mais e, combinada com as alterações hormonais, pode dar origem a emoções intensas, como raiva, medo e agressão. Além disso, ao longo da adolescência, o sistema límbico fica sob maior controle do córtex pré-frontal. Essa área só se desenvolve completamente aos 25 anos e é essencial para o raciocínio, a solução de problemas e o controle dos impulsos. O desenvolvimento do córtex pré-frontal é uma razão biológica pela qual há uma percepção de que os adolescentes são mal-humorados devido a essas estruturas límbicas subdesenvolvidas.

 

Estrutura primária do sistema límbico

Hipocampo

O sistema límbico inclui o Hipocampo, que vem da palavra grega para cavalo marinho. Ele está localizado muito profundamente no cérebro e está associado ao aprendizado e a aspectos específicos da memória, como a memória espacial e a navegação espacial.

Em termos de memória, a codificação da memória: o processo de permitir que as informações sejam codificadas, armazenadas e recuperadas, é uma de suas principais funções. A codificação da memória, por exemplo, pode nos permitir lembrar onde almoçamos ontem. A consolidação da memória é outro aspecto da memória pelo qual o hipocampo é responsável, permitindo-nos formar memórias mais estáveis e duradouras.

 

Amígdala

O sistema límbico também inclui a amígdala, que tem o formato de uma amêndoa e é responsável por respostas emocionais como prazer, ansiedade, raiva e medo. A amígdala desempenha um papel na memória e fica próxima ao hipocampo no cérebro. Especificamente, envolve a firmeza com que as memórias são armazenadas, uma vez que as memórias são frequentemente associadas a fortes laços emocionais que tendem a permanecer por muito mais tempo.

A conexão entre as memórias e o medo se dá por meio da amígdala, que pode ajudar a formar novas memórias relacionadas ao medo. O aprendizado por meio do medo facilita os conceitos anteriores mencionados, como a consolidação da memória.

É uma área do cérebro que pode gerar emoções bastante intensas. Informalmente, as respostas desencadeadas pela amígdala são chamadas de "lutar ou fugir", o que, combinado com o sistema nervoso, é uma reação fisiológica natural às ameaças à sobrevivência do ponto de vista evolutivo. Há três estágios distintos para o estresse causado por essas reações: alarme, resistência e exaustão. Em particular, grande parte da pesquisa é sobre a amígdala basolateral.

 

Tálamo e hipotálamo

O sistema límbico inclui o tálamo, geralmente conhecido como a estação de retransmissão em termos de sensações em todo o corpo, exceto o processamento do olfato (cheiro). Combinado com o hipotálamo, ele é responsável pelas mudanças na reatividade emocional. A reatividade emocional refere-se a quando qualquer evento externo desencadeia emoções intensas.

Um exemplo envolve o hipotálamo, que controla os impulsos vitais para o corpo, como o sono. Na ausência de sono adequado, outras áreas do hipotálamo reagem. Essas áreas estão ligadas a emoções como raiva, desprazer e aversão. Portanto, há uma ligação clara entre os principais processos homeostáticos, como o sono e a comunicação emocional, e a interrupção desses processos.

 

Regiões cerebrais secundárias ou acessórias

As estruturas secundárias ou acessórias do sistema límbico são essenciais para as regiões cerebrais que não têm evidências tão fortes de envolvimento quanto outras áreas para serem consideradas componentes vitais.

O giro cingulado é uma estrutura que fica próxima ao nariz. Essa proximidade ajuda a associar cheiros e imagens a lembranças agradáveis ou adversas de emoções anteriores. Além disso, a reação emocional à dor também é uma função essencial. Aspectos da dor, como evitar o medo e a sensação desagradável, são processados nessa área. Por fim, o comportamento agressivo e a impulsividade também estão associados, embora isso seja motivo de debate.

Os gânglios basais são uma área secundária do sistema límbico, pois estão próximos de outras estruturas límbicas. Ele é bem conhecido por sua importância no planejamento e na execução motora. No entanto, evidências recentes sugerem suas funções na recompensa e no reforço, nos comportamentos viciantes e na formação de hábitos. Os transtornos psiquiátricos, como a depressão e a esquizofrenia, podem envolver uma interrupção nas conexões entre os gânglios basais e o sistema límbico. Como resultado, foram sugeridas implicações para terapias de neuromodulação.

Por fim, o giro cingulado é uma estrutura que, juntamente com o processamento de emoções e a regulação do comportamento, ajuda a regular a função motora autonômica. Sua localização no cérebro é fundamental, pois se conecta com o córtex frontal, temporal e occipital dos dois hemisférios do cérebro. Especificamente, ele coordena a entrada sensorial com as emoções. Um exemplo seria picar o dedo e depois sentir dor. Ele também lida com as respostas emocionais associadas à dor e regula o comportamento agressivo.

Muitas outras áreas poderiam ser incluídas como estruturas límbicas adicionais, o que sugere a complexidade dessa área. Entre elas estão o septo, o núcleo accumbens, o córtex orbitofrontal, o córtex cerebral, o córtex olfativo e muitas outras. Há também estruturas subcorticais a serem consideradas.

 

O sistema límbico e as respostas emocionais

sistema límbico e respostas emocionaisEm seu nível básico, o processamento afetivo é uma atividade dentro do cérebro que representa as habilidades de tomada de decisão. As interrupções da cognição afetiva geralmente estão na linha de frente dos transtornos do humor. Muitas ações e decisões ocorrem em um contexto emocional. Portanto, há uma ligação entre as funções cognitivas e os estados emocionais. Parte desse processo é rotular as emoções como sendo positiva ou negativamente valorizadas. Por exemplo, emoções como a felicidade teriam uma valência positiva, e o nojo teria uma valência negativa.

Um grupo de pesquisadores analisou as anormalidades no processamento afetivo de psicopatas criminosos usando ressonância magnética (MRI). Eles descobriram que os déficits de processamento afetivo ocorriam com mais frequência em resposta a estímulos com valência negativa e que eles exigiam mais recursos cognitivos para processar e avaliar estímulos afetivos do que os outros. Em relação ao cérebro, eles encontraram anormalidades no cíngulo anterior e posterior, giro frontal inferior, formação da amígdala/hipocampo e estriado ventral. Em especial, as anormalidades estavam relacionadas à falta de atividade relacionada ao afeto nessas áreas. Portanto, havia perturbações no sistema límbico.

 

O sistema límbico e a memória

O "sistema límbico maior" envolve a função da memória. Especificamente, a memória está no sentido de organizar comportamentos para garantir que eles sejam adaptáveis para a sobrevivência. Conforme mencionado na seção anterior, o processamento afetivo combina memória, afeto e comportamento direcionado a metas. A memória de longo prazo é um tipo de memória que pode ser armazenada no cérebro por anos; há dois grupos principais de memórias de longo prazo.

O primeiro são as memórias explícitas/declarativas para instâncias episódicas que podem ocorrer ao longo da vida. O segundo tipo se enquadra no grupo de memórias implícitas/procedimentais que são importantes para aprender e lembrar habilidades motoras e cognitivas. Dependendo do grupo, diferentes áreas do sistema límbico estão envolvidas. Primeiro, o hipocampo trabalha com outra área do cérebro chamada lobo temporal medial. A segunda é o gânglio basal, que também trabalha com outra região vital do cérebro, o cerebelo.

A amígdala não trabalha sozinha na formação, consolidação e recuperação da memória das funções de memória emocional. O sistema límbico funciona como um circuito neural, seja na formação da memória declarativa, na consolidação da memória, na formação da memória contextual do medo, no condicionamento de traços ou na aprendizagem de discriminação condicional.

 

A conexão do sistema límbico com a recompensa, a motivação e o vício

conexão dos sistemas límbicos com recompensa, motivação e dependênciaEm termos simples, a "recompensa" produz uma experiência afetiva positiva. Na psicologia, essa definição é alterada para descrever determinados eventos que aumentam a probabilidade de um comportamento ou estímulo com propriedades atraentes e motivacionais. Portanto, o circuito de recompensa é um loop de feedback causado pelo grupo de estruturas cerebrais responsáveis pelo controle e pela regulação da capacidade de sentir prazer. A sensação de prazer é essencial, pois motiva os seres humanos a repetir determinados comportamentos. Um componente do que o sistema límbico nos permite reconhecer.

Quando o circuito de recompensa é ativado, surgem sinais elétricos e químicos. As células desse sistema sentem e recebem esses sinais neurais para se comunicar. Um desses sinais neurais essenciais é a liberação do neurotransmissor dopamina, um mensageiro químico altamente estudado. Quando a dopamina é liberada de suas respectivas áreas, ela viaja até os receptores que recebem o sinal e, portanto, se ligam a ele, permitindo respostas adicionais. Os surtos de dopamina ocorrem em resposta a recompensas naturais de aprendizado e adaptação.

No entanto, o que é muito preocupante é o uso de drogas recreativas, como opiáceos, anfetaminas e cocaína, pois elas podem interromper a sinalização normal da dopamina, levando a comportamentos prejudiciais à saúde. Por exemplo, com o uso de cocaína, há uma explosão curta e poderosa de liberação de dopamina que resulta em sintomas como a euforia. Esses sintomas podem ser tão intensos que o desejo de usar se torna forte. A dopamina é liberada principalmente pelo Nucleus Accumbens, que é discutido como uma estrutura secundária/acessória do sistema límbico.

A serotonina é outro neurotransmissor que desempenha um papel fundamental na dependência. Ela é comumente conhecida como a substância química da felicidade porque contribui para a sensação de bem-estar e felicidade. A serotonina interage com a dopamina no sentido de que, com o tempo, o cérebro se torna menos sensível à dopamina, o que é conhecido como dessensibilização. Portanto, a pessoa precisa usar mais de uma droga ou outra substância para obter o mesmo prazer. Os sintomas de abstinência são comuns quando se interrompe o uso de uma substância. A abstinência pode causar sensações de ansiedade, irritabilidade e depressão. Esses sintomas resultam dos baixos níveis de serotonina, que podem afetar significativamente o sistema límbico.

É importante observar que a dependência não se limita a substâncias recreativas ou ilegais. O vício é comum em medicamentos prescritos, sendo a crise dos opioides um exemplo. A predisposição à dependência pode ser causada por um desequilíbrio de neurotransmissores, levando a níveis anormais. Fatores genéticos, estresse, trauma e abuso de substâncias podem contribuir para a dependência suplementada pelo sistema límbico.

 

Interrupções do sistema límbico

Como o sistema límbico é uma área tão sensível, é claro que podem ocorrer interrupções no sistema. Elas podem ocorrer devido a lesões traumáticas ou ao envelhecimento, entre outras coisas, e podem levar a vários distúrbios ou comportamentos. O sistema límbico envolve alguns dos distúrbios neurocomportamentais mais complexos, inclusive o transtorno de estresse pós-traumático (TEPT) e distúrbios de cognição e memória como o Alzheimer.

Grande parte da pesquisa sobre a interrupção do sistema límbico foi feita a partir de lesões ou ferimentos no sistema. Por exemplo, foi feito um estudo sobre pacientes esquizofrênicos e as diferenças em seu giro cingulado anterior em comparação com pacientes de controle ou não esquizofrênicos. Em pessoas com esquizofrenia, verificou-se que o giro era muito menor e o volume de massa cinzenta diminuía. A substância cinzenta no cérebro funciona como partes profundas das conexões que sinalizam para a substância branca do cérebro. Em geral, a atrofia ou o aumento precoce da área do córtex cingulado foi encontrado tanto em pacientes com demência quanto com a doença de Alzheimer. A degeneração ou colapso dessa área é um forte indicador dessas condições.

Além da seção anterior sobre recompensa, motivação e dependência, a parte do Giro Cingulado Anterior do Córtex Cingulado Anterior (ACC) também tem sido fundamental nos circuitos neurais de funções cognitivas relacionadas à dependência. Essas funções incluem a tomada de decisões, a inibição cognitiva, a emoção e a motivação. Essa tem sido uma área-alvo da neuromodulação para pessoas que lutam contra o transtorno do uso de substâncias.

Portanto, está claro que os danos a essa área podem influenciar a capacidade da pessoa de responder a determinadas características do ambiente. Isso pode levar a um comportamento agressivo, timidez ou diminuição da expressão emocional. Uma característica marcante da esquizofrenia é o efeito plano, em que o rosto parece plano e sem emoção. Os pacientes com essa condição geralmente falham nos testes de reconhecimento emocional facial desde o início da doença. Isso mostra os impactos da interrupção das estruturas límbicas.

 

O sistema límbico e o estresse crônico

O estresse crônico pode ter impactos prejudiciais na saúde física e mental. O estresse crônico pode ser resultado de vários fatores e alterar permanentemente o estado do corpo e da mente. O trauma de vida como uma forma de estresse crônico foi estudado extensivamente no sistema límbico. Um estudo examinou o hipotálamo, especificamente o eixo hipotálamo-pituitária-adrenal (HPA). Esse é um conjunto complexo de influências diretas e interações de feedback entre três estruturas: o hipotálamo, a glândula pituitária e as glândulas suprarrenais na parte superior dos rins.

Esse é um sistema neuroendócrino, o que significa que os hormônios que cada uma dessas estruturas libera afetam o sistema nervoso à medida que viajam pelo sangue. Cada um deles libera um hormônio que leva ao próximo e é um efeito em cascata. Há um impacto em processos como digestão, armazenamento e gasto de energia e humor geral.

Esse estudo constatou que o trauma ao longo da vida afetou significativamente o eixo HPA e que o trauma ao longo da vida pode tornar certas regiões límbicas mais sensíveis. Especificamente, as regiões límbicas que contêm o hipocampo e a amígdala. Essa descoberta é consistente com a pesquisa que descobriu que a amígdala desempenha um papel na influência do eixo HPA para uma resposta ao estresse, desencadeando a liberação de hormônios do estresse. Isso pode resultar em problemas com a regulação do estresse e a função do eixo HPA e levar a um risco de resultados ruins para a saúde. Um exemplo seria a consolidação prejudicada da memória. Esse é um exemplo claro de que a desregulação do sistema límbico tem um grande impacto.

 

Os impactos do relaxamento no sistema límbico

As técnicas de relaxamento têm se mostrado impactantes no alívio do estresse; a meditação tem sido citada como tendo muitos efeitos positivos. Especificamente, de todos os tipos de meditação, a meditação baseada na compaixão tem demonstrado o maior impacto em acalmar o sistema límbico. A meditação da compaixão, também conhecida como meditação Karuna, tem raízes na filosofia budista e se concentra em orientar os participantes em relação aos pensamentos humanos. Um componente vital dessa prática é despertar a compaixão que é inerente a todos os seres humanos.

Especificamente, a pesquisa sobre o cérebro e a atenção plena concentra-se na amígdala como parte do sistema límbico. Um estudo realizado com empresários com altos níveis de estresse observou que, após oito semanas de meditação da atenção plena, o tamanho de suas amídalas diminuiu em comparação com os que não praticavam. Portanto, a redução do estresse foi correlacionada com essas mudanças estruturais na amígdala.

Qualquer tipo de meditação pode ser usado como uma maneira simples e rápida de reduzir o estresse. Como uma medicina complementar que combina a mente e o corpo, ela é fundamental para produzir um relaxamento profundo e uma mente tranquila. Concentrar-se em uma coisa específica durante cada sessão pode melhorar o bem-estar físico e emocional. Os elementos de atenção concentrada, respiração relaxada e um ambiente silencioso são ideais para estar centrado e presente.

Conforme mencionado na seção anterior, um desequilíbrio de serotonina pode causar vários distúrbios. Mediação, exercícios, alimentação saudável e ioga podem aumentar a serotonina naturalmente. O exercício, em particular, libera endorfinas que podem melhorar o humor. Elas são bastante semelhantes à serotonina e podem levar a emoções positivas. Passar um tempo na natureza também traz vários benefícios à saúde, inclusive redução do estresse e melhora do humor. Foi comprovado que tudo isso ajuda a acalmar o sistema límbico.

 

Conclusão

O sistema límbico é uma rede complexa com muitas partes interconectadas. Ele tem quatro componentes principais e muitas estruturas adicionais que podem ser consideradas secundárias - as estruturas subcorticais e o córtex cerebral. Historicamente, o sistema límbico foi apresentado como um sistema dentro do cérebro relacionado a estados emocionais. No entanto, há pouco tempo foi explorado em relação às suas implicações para o aprendizado e a formação de novas memórias. Nesta postagem, foram abordados mais detalhes sobre o sistema límbico e as respostas emocionais, a memória e seu impacto sobre a recompensa, a motivação e o vício.

Além disso, foram discutidas as perturbações do sistema límbico e os impactos do estresse crônico, além de estratégias para relaxar o sistema límbico. O objetivo foi apresentar o sistema límbico de um ponto de vista amplo e reconhecer como ele contribui para o bem-estar como um componente da saúde física e mental. Por fim, as técnicas de gerenciamento do estresse são fundamentais para manter esse sistema sob controle.

Síndrome do cruzamento superior

12 min read

Síndrome do cruzamento superior

A síndrome do cruzamento superior é um distúrbio musculoesquelético causado por desequilíbrios musculares na parte superior do corpo. A síndrome do...

Crioterapia

11 min read

Crioterapia

A crioterapia é um tratamento que pode ajudar com o estresse, a ansiedade, a dor e a reabilitação de lesões. A crioterapia é realizada pela exposição...

Ciência do esporte

9 min read

Ciência do esporte

A ciência do esporte é a fusão dos princípios científicos com o treinamento e o desempenho esportivo. A aplicação do método científico às práticas de...

Sistema imunológico

17 min read

Sistema imunológico

O sistema imunológico se defende contra infecções reconhecendo e eliminando substâncias estranhas. Alguns distúrbios podem causar respostas imunes...

Neurobiologia

17 min read

Neurobiologia

A neurobiologia abrange vários tópicos, desde os mecanismos moleculares que regem a comunicação neuronal até a exploração de regiões específicas do...

Hormônios do estresse

12 min read

Hormônios do estresse

Os hormônios do estresse são liberados em resposta ao estresse ambiental. O estresse crônico leva à produção excessiva de hormônios do estresse,...